Pintura de uma paisagem

Coleção e identidade na crítica de Ángel Rama nos anos setenta

Pedro Demenech

Resumo


Este artigo analisa a trajetória intelectual de Ángel Rama (1926-1983), crítico uruguaio,  nos anos setenta. Quando lança La generación crítica 1939-1969, em 1972, projetava escrever um segundo tomo, pois o livro tem o subtítulo “I. Panoramas”. Entretanto, jamais trabalhou nele novamente e isso é sintomático neste trabalho. No único livro dedicado à cultura de seu país, o Uruguai, Rama analisa os problemas no tom de nostalgia, notando que uma cultura de felicidade individual e confiança no Estado se desintegra. Surpreendido pelo golpe de Estado de 1973, Rama não pôde retornar à terra natal. Exilado, aprimora seu trabalho de crítico literário que já na década sessenta era reconhecido em Marcha e projetos coletivos de integração cultural, como na Casa de las Américas do governo cubano. Com a quebra de continuidade com seu passado, trabalha na criação da Biblioteca Ayacucho, em 1974, quando projeta uma história aberta ao futuro.


Palavras-chave


Crítica; América Latina; Cultura

Texto completo:

87-101


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i20.985

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia