Pintura de uma paisagem

Uma crítica ao essencialismo identitário: a historiografia da mineiridade na primeira metade do século XX

Walderez Simões Costa Ramalho

Resumo


A busca por uma identidade específica foi certamente um dos temas mais discutidos pela historiografia relativa a Minas Gerais. Este artigo pretende avaliar criticamente esse longo debate, focalizando os trabalhos de interpretação produzidos durante a primeira metade do século XX. Tais textos compreendiam a mineiridade como uma “essência”, objetiva, fixa, definitiva, comum a todos os mineiros, numa concepção identitária que não abria espaço para as mudanças e diferenças. Trata-se, aqui, de propor uma leitura “não-essencialista” dessas interpretações, compreendendo a identidade cultural como um processo em permanente construção. Esse exercício crítico deve auxiliar na discussão de possíveis caminhos para projetar um espaço público mais aberto, democrático e inclusivo em Minas Gerais.


Palavras-chave


Historiografia; Identidade; Representação

Texto completo:

248-265


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i18.841

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia