Como Proust foi moderno: entre debates literários e conflitos culturais

  • Paulo Rodrigo Andrade Haiduke Professor substituto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC/PR).
Palavras-chave: Terceira República Francesa, Recepção, Modernismos

Resumo

Neste artigo são discutidas questões relacionadas ao hoje famoso ciclo romanesco de Marcel Proust (1871-1922) intitulado Em busca do tempo perdido (A la recherche du temps perdu) e a sua recepção como um dos maiores cânones da literatura moderna no século XX. Tomando como referência comentadores contemporâneos ao lançamento do romance (os volumes foram publicados orginalmente entre 1913 e 1927), pretendo introduzir os leitores nos debates que buscaram arrogar a Proust o papel de arauto do modernismo literário. Dessa forma, apresentarei alguns debates tematizados pelos contemporâneos e que engajaram Proust e sua obra não apenas em querelas literárias, artísticas e estéticas, mas em discussões de maior amplitude social e cultural concernentes à Terceira República Francesa. Utilizarei historiografia específica, bem como bibliografia mais ampla, para mostrar que as querelas nas quais Proust e seu romance foram envolvidos concerniam não apenas ao debate literário e estético, mas também às temporalidades e historicidades de maior amplitude que permearam a sociedade e a cultura francesas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Rodrigo Andrade Haiduke, Professor substituto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC/PR).
Graduado em História (Bacharelado e Licenciatura) pela UFPR (2006). Mestre em História pela UFPR (2009). Doutor em História pela UFPR (2013).
Publicado
2014-12-31
Como Citar
HAIDUKE, P. R. A. Como Proust foi moderno: entre debates literários e conflitos culturais. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 7, n. 16, p. 90-106, 31 dez. 2014.
Seção
Dossiê “Historicidade e literatura”