Entre Koselleck e Krenak

diálogos entre espaço de experiência, horizonte de expectativas e ancestralidade?

Autores

  • Bruno Souza Leal PPGCOM/UFMG
  • Ana Regina Rego UFPI

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v17.2095

Palavras-chave:

Reinhart Koselleck, Temporalidades, Tempo Histórico

Resumo

Este ensaio tem como objetivo tensionar as categorias meta-históricas propostas por Koselleck como antropológicas e universais, e que seriam centrais na composição do tempo histórico, e confrontá-las com o pensamento de Ailton Krenak. Nesse percurso, partimos da elaboração de Koselleck, passamos pela apropriação que realiza Ricoeur das categorias na proposição de uma Hermenêutica da consciência histórica e apresentamos ainda a concepção de Hartog de regimes de historicidade, na qual experiência e expectativa também se manifestam. Em um segundo momento, trabalhamos as temporalidades dos povos não historicizados e, portanto, excluídos do modo de existir eurocêntrico, para, ao final, nos dedicarmos ao pensamento de Krenak, que colhemos nos textos lançados nos últimos quatro anos e com o qual confrontamos a proposição universalista de Koselleck para espaço de experiência e horizonte de expectativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Souza Leal, PPGCOM/UFMG

Professor titular do Departamento de Comunicação/Fafich/UFMG e pesquisador permanente do PPGCOM/UFMG, na linha de pesquisa "Textualidades midiáticas". Coordena o Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência,  Possui graduação em Comunicação Social, mestrado e doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutorado em Ciências da Comunicação pela Unisinos. Integra a Rede Historicidades dos Processos Comunicacionais. É pesquisador do CNPq. Coordena atualmente os projetos de pesquisa "Catástrofes cotidianas: explorações analíticas das articulações entre temporalidades, acontecimentos e textualidades" e "Espacialidades e corporeidades como figuras de historicidades: na Comunicação: investigações teórico-conceituais e analíticas", ambas financiadas pelo CNPq

Ana Regina Rego, UFPI

Jornalista pela Universidade Federal do Piauí (1996).Mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998). Doutora em Processos Comunicacionais pela UMESP (2010), com estágio de doutorado na Universidad Autónoma de Barcelona -UAB (2009). Pós-Doutorado em Comunicação e Cultura pela ECO-UFRJ(2020). Diretora Regional Nordeste (2011-2015) e Presidenta da ALCAR-Associação Brasileira de Pesquisadores em História da Mídia ( Gestão 2015-2019). Criou e Coordena atualmente a Rede Nacional de Combate à Desinformação RNCd Brasil. Participa da Rede de Grupos de Pesquisa em Historicidade dos Processos Comunicacionais e da Rede Latinoamericana de Historia da Comunicação.  Atualmente pesquisadora do CNPq. Coordena atualmente a pesquisa "Comunicação, Tradição e Inovação x Desinformação: mapeando e analisando o mercado", com apoio do CNPq

Referências

ARRAES, Raoni. O útil, o fim, e o Antropoceno: ensaio crítico sobre os manifestos de Aílton Krenak. Antropologia Portuguesa, n. 38, p. 105-109, 2021.

CÉSARIE, Aimé. Aimé Césarie: textos escolhidos. Rio de Janeiro: Cobogó, 2022.

DANNER, Fernando; DORRICO, Julie; DANNER, Leno Francisco. Pensamento indígena brasileiro como crítica da modernidade: sobre uma expressão de Aílton Krenak. Griot: Revista de Filosofia, v. 19, n. 3, p. 74-104, out. 2019

DANOWSKI, Débora; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há um mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie Editora e São Paulo: Instituto Socioambiental, 2022.

DOSSE, François. Paul Ricoeur: los sentidos de una vida. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013.

FRANCO NETO, Mauro. Seguir contando histórias: o gesto antropofágico e o significado existencial da história na obra de Aílton Krenak. Revista de História, n. 181, a04322, 2022.

HARTOG, François. Chronos: L’Occident aux prises avec le Temps. Paris: Éditions Gallimard, 2020. E-book.

HARTOG, François. Regimes de historicidades: presentismo e experiências do Tempo. Belo Horizonte: Autentica, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do Tempo: estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. O futuro é ancestral. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

LEAL, Bruno Souza; RÊGO, Ana Regina. Espaço de experiência: investigações em torno de uma categoria meta-histórica. In: CARVALHO, Maria Gislene et al. (org.). Temporalidades e espacialidades nos processos comunicacionais. Belo Horizonte: Selo PPGCOM/UFMG, 2023. p. 46-62.

OVALLE, Daniel. El historiador del tiempo presente como un sujeto “afectado por el pasado”. Escritura de la historia y conciencia histórica. Revista de Historia (Concepción), v. 28, n. 1, jun. 2021.

OVALLE, Daniel. Pensar la conciencia histórica contemporánea. Historicidad y teoría de la historia. In: ARAVENA, Pablo (org.), Representación histórica y nueva experiencia del tiempo. Santiago: América en Movimiento, 2019. p. 47-63.

PORTELA, Cristiane. De aculturado exótico a raiz profunda: indigenismo e história indígena em narrativas de Aílton Krenak. Diálogos, v. 21, n. 3, p. 162-177, 2017.

REIS, José Carlos. História da “consciência histórica” ocidental contemporânea: Hegel, Nietzsche, Ricoeur. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

RICOUER, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

RIVERA CUSICANQUI, Silvia. Un mundo ch’ixi es posible. Buenos Aires: Tinta Limón, 2018.

TRZAN, Alexandre; MATTAR, Cristine. Psicologia, fenomenología e questões decoloniais: interseções. Rio de Janeiro: Via Vérita, 2022.

Downloads

Publicado

2024-06-26

Como Citar

SOUZA LEAL, B.; REGO, A. R. Entre Koselleck e Krenak: diálogos entre espaço de experiência, horizonte de expectativas e ancestralidade?. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 17, p. 1–24, 2024. DOI: 10.15848/hh.v17.2095. Disponível em: https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/2095. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigo original