Pintura de uma paisagem

Um grão de sal: autenticidade, felicidade e relações de amizade na correspondência de Mário de Andrade com Carlos Drummond

Ricardo Benzaquen de Araújo

Resumo


O texto em pauta pretende examinar a forma pela qual Mário de Andrade elabora a sua subjetividade na correspondência que troca com Carlos Drummond de Andrade. O seu argumento central é o de que a personalidade sanguínea, forte e autêntica de Mário não desconhece momentos de insegurança, abandono e até desilusão, momentos que, paradoxalmente, só conseguem ser superados pelo recurso a experiências marcadas pela dor física e espiritual a que ele, nas próprias relações de amizade – em função, por exemplo, das críticas que lhe são endereçadas pelos amigos –, não deixa de se submeter. Assim, longe de procurar a felicidade em um terreno utópico, no futuro ou no além, nosso autor se arrisca a confrontar diretamente o infortúnio, convicto de que os desafios e a alteridade embutidos nesse gesto serão capazes de gerar uma energia em condições de aperfeiçoar a sua intensa, fecunda e quase excessiva identidade pessoal.


Palavras-chave


Mario de Andrade; Modernismo; Subjetividade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i16.846

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia