Pintura de uma paisagem

“O historiador das consciências delicadas”: ficção, realidade e ética na obra de Henry James

Luiza Larangeira da Silva Mello

Resumo


Este artigo investiga o modo pelo qual o escritor anglo-americano Henry James (1843-1916) articula, em sua obra de crítica literária e ficção, as dimensões epistemológica, ética e cultural dos processos relativos ao conhecimento e representação literária da realidade. Para tanto, analisa-se a historicidade de certos aspectos formais e temáticos de seus textos, que sugerem o caráter fragmentário e instável da experiência cognitiva do real e das escolhas éticas que tomam esse conhecimento como esteio. Reconhecendo semelhanças entre esses aspectos da obra de James e aqueles da obra de outros autores modernistas, que subverteram certos princípios da representação do romance realista do século XIX, busca-se compreender as especificidades da crítica do autor americano ao realismo oitocentista, isto é, a maneira singular pela qual essa crítica está relacionada à sua interpretação da tradição intelectual norte-americana.


Palavras-chave


Ética; Ficção; Realismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i16.844

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia