Pintura de uma paisagem

Nome próprio e descrição do social: poética da nomeação em Balzac

Raquel Campos

Resumo


Uma figura sintetiza a dimensão do projeto literário balzaquiano: “fazer concorrência ao registro civil”. Ela expressa a medida da inédita ambição realista de que Balzac dotou o gênero do romance, ao conferir-lhe o poder de descrever o social. Ela também indica o lugar central que o nome próprio tomou em A comédia humana como história da França no século XIX. O objetivo deste artigo é analisar a poética da nomeação em Balzac, examinando as funções do nome próprio em sua obra e o modo como ele nomeou suas personagens. Minha hipótese é a de que o romancista constitui um capítulo fundamental da história da onomástica literária: com ele, o nome próprio tornou-se uma questão capital do romance e a motivação impôs-se como um verdadeiro topos literário.


Palavras-chave


Realismo; Século XIX; Onomástica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i16.828

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia