Quando a literatura fala à história: a ficção de Barbosa Lessa e a memória pública no Rio Grande do Sul

  • Jocelito Zalla Colégio de Aplicação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em História Social - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Ficção, Historiografia sul-rio-grandense, Regionalismo

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar as intervenções de Luiz Carlos Barbosa Lessa, escritor, folclorista e militante fundador do movimento tradicionalista gaúcho, no debate público rio-grandense pela literatura de imaginação. Para tanto, parte-se de um episódio que agitou a produção letrada local na década de 1950, o chamado “caso Sepé”, em torno do qual foi ponderada a conveniência ou inviabilidade de incorporar a experiência missioneira guarani na narração do passado gaúcho. Buscase, portanto, não somente averiguar as posições do autor no debate, mas avaliar as possibilidades e escolhas formais de confronto, em especial a escrita literária como contraponto ao discurso histórico. A tomada de posição de Lessa sobre a questão indígena leva a críticas mais amplas ao modelo dominante de memória histórica no estado, orientando seu projeto literário para criações até então pouco comuns, como a figuração de grupos e segmentos tidos como marginais (indígenas, negros, mulheres), além da reafirmação do caráter popular do gaúcho rio-grandense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocelito Zalla, Colégio de Aplicação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em História Social - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutorando em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Publicado
2014-12-31
Como Citar
ZALLA, J. Quando a literatura fala à história: a ficção de Barbosa Lessa e a memória pública no Rio Grande do Sul. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 7, n. 16, p. 37-54, 31 dez. 2014.
Seção
Dossiê “Historicidade e literatura”