Pintura de uma paisagem

Fontes literárias da cultura brasileira para a história dos saberes psicológicos

Marina Massimi

Resumo


Neste artigo é discutida a utilização das fontes literárias no âmbito da história dos saberes psicológicos. Em primeiro lugar, apresenta-se a contribuição de Dilthey e de Huizinga na discussão das interfaces entre história, psicologia e literatura. Em segundo lugar, apresenta-se um exemplo de análise de fonte literária no âmbito da história dos saberes psicológicos: o estudo da novela alegórica do jesuíta Alexandre de Gusmão, História do Predestinado Peregrino e de seu irmão Precito (1682). Aponta-se que a fonte literária pode ser enfocada da perspectiva da história dos saberes psicológicos, seja por ser transmissora de conceitos e práticas psicológicos, seja pela ação exercida no dinamismo psíquico dos destinatários por meio de sua construção retórica.


Palavras-chave


História cultural; Historiografia jesuítica; Retórica

Texto completo:

116-134


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i17.763

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia