Pintura de uma paisagem

Aristóteles e a história, mais uma vez

François Hartog

Resumo


O objetivo deste artigo é o de analisar algumas questões e desdobramentos para a escrita da história provenientes da chamada virada liguística na história. Mais do que reconstituir os percursos que caracterizam essa virada, ou delimitar seus contornos, nos propomos a observar o ponto de oscilação ou o contra-ataque brusco marcados pela publicação, em 1992, do livro Probing the Limits of Representation, editado por Saul Friedländer, colocando em paralelo os estudos mais recentes de Paul Ricoeur e Carlo Ginzburg e destacando suas respectivas leituras das obras clássicas de Aristóteles, a Poética e a Retórica, mediadas pela leitura de Hayden White.


Palavras-chave


Giro linguístico; Historiografia; Escrita da História

Texto completo:

14-23


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i13.716

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia