Pintura de uma paisagem

O historiador enquanto leitor: história da historiografia e leitura da história

Fernando Nicolazzi

Resumo


Este ensaio parte de uma sugestiva colocação feita por Manoel Luiz Salgado Guimarães a respeito dos procedimentos de pesquisa para a história da historiografia. Ao sugerir que a atenção voltada para os textos e suas condições de produção supõe sempre a existência de um “certo tipo de leitor”, o autor traz para o primeiro plano da investigação o tema da leitura da história. Nesse sentido, partindo da hipótese de que a legitimidade do discurso historiográfico reside não apenas no cumprimento dos protocolos de escrita efetivados pelo historiador, mas também no ato correlato da leitura realizada por seus leitores, este texto oferece um estudo sobre as considerações a respeito da leitura da história feitas pelo historiador e antiquário francês Claude-François Menestrier em sua obra Les divers caracteres des ouvrages historiques, publicada em 1694.


Palavras-chave


História da historiografia; Erudição; Claude-François Menestrier

Texto completo:

63-77


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i13.675

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia