Pintura de uma paisagem

Francisco Adolfo de Varnhagen e algumas linhas de força da historiografia portuguesa do seu tempo (1839-1841)

Daniel Estudante Protásio

Resumo


Com o presente artigo, pretendo contribuir para o estudo das relações de Francisco Adolfo de Varnhagen com o meio historiográfico português, bem como salientar aproximações e distanciamentos pessoais e intelectuais face a figuras cimeiras da historiografia portuguesa coeva, como o Cardeal Saraiva, o visconde de Santarém e Alexandre Herculano. O estudo foi conduzido com base em fontes manuscritas e em bibliografia portuguesa e brasileira. A carta que o visconde de Santarém dirigiu a Varnhagen, datada de 8 de Dezembro de 1839, é frequentemente citada como contendo a primeira referência explícita ao neologismo cartografia, atribuído ao primeiro. Tal missiva foi escrita no âmbito de uma polémica, mantida pelos dois autores, sobre algumas características dos estudos culturais e historiográficos dedicados à história portuguesa, realizados em Paris e Lisboa e sobretudo a propósito da Crónica da Guiné, de Zurara, e da importância do documento inédito relevante como instrumento de afirmação e prestígio do historiador.


Palavras-chave


Historiografia portuguesa; Francisco Adolfo de Varnhagen; História cultural

Texto completo:

27-43


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i14.669

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia