Compilação e plágio: Abreu e Lima e Melo Morais lidos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro

Autores

  • Pedro Afonso Cristovão dos Santos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v0i13.639

Palavras-chave:

Escrita da História, Historiografia brasileira, Historiografia do século XIX

Resumo

Retomando a perspectiva de Manoel Luiz Salgado Guimarães a respeito da escrita da história no Brasil no século XIX como um campo de disputas em aberto, “um debate que se travava sem que o vencedor estivesse definido a priori”, buscamos recuperar uma forma de escrita da história relegada a segundo plano naquele contexto, presente em dois autores que tiveram obras suas consideradas plágio no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro: José Inácio de Abreu e Lima (1794-1869) e Alexandre José de Melo Morais (1816-1882). A leitura de plágio vinha da maneira como ambos utilizaram suas fontes; é nossa hipótese que ambos realizaram uma historiografia que se aproximava da compilação, gênero de longa duração, mas que seria descartado no século XIX enquanto possibilidade de oferecer um modelo para a escrita da história do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-09-03

Como Citar

CRISTOVÃO DOS SANTOS, P. A. Compilação e plágio: Abreu e Lima e Melo Morais lidos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 6, n. 13, p. 45–62, 2013. DOI: 10.15848/hh.v0i13.639. Disponível em: https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/639. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê "A história em questão: diálogos com a obra de Manoel Luiz Salgado Guimarães"