Pintura de uma paisagem

A escrita da história em Terra Sonâmbula de Mia Couto

Flavia Renata Machado Paiani

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar de que forma o romance Terra Sonâmbula (1992), do escritor moçambicano Mia Couto, constitui-se como versão alternativa à historiografia a partir da própria história que o romance conta e sobre a qual ele silencia. Para tanto, considero que a narrativa coutiana assume um viés testemunhal, pois exprimiria a necessidade da “fala” por parte do autor após dezesseis anos de guerra civil em Moçambique (1976-1992). Assim, interessa-me saber a que leitor (que aqui substitui o ouvinte) o autor dirige sua narrativa para compreender os meandros da história que ele escreve, levando também em consideração a posição ocupada por Mia Couto na realidade de seu país. Percebo que o autor escreve sua versão da história a partir de três tendências interligadas: (i) o dever de memória; (ii) a construção de uma africanidade; e (iii) a perspectiva do futuro.


Palavras-chave


Escrita da História; Literatura; Mia Couto

Texto completo:

204-218


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i13.591

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia