Pintura de uma paisagem

Um debate sobre a descontinuidade temporal: Fernand Braudel, Gaston Bachelard, Gaston Roupnel e Georges Gurvitch

André Fabiano Voigt

Resumo


Neste estudo, pretendemos demonstrar que as ideias teóricas de Fernand Braudel acerca da noção de temporalidade se desenvolveram por oposição a algumas teorias da descontinuidade temporal existentes no cenário filosófico francês da década de 1950. Embora tenha usado como exemplo de apologia da descontinuidade o livro La Dialétique de la Durée (1936) de Gaston Bachelard, Braudel esboça também uma crítica às noções de descontinuidade de Georges Gurvitch. Um autor que estará nos bastidores deste breve estudo é o historiador Gaston Roupnel, que é citado de modo elogioso tanto por Braudel quanto por Bachelard. À primeira vista, a rejeição das ideias acerca da descontinuidade temporal por parte de Braudel parece ter sido antes o resultado de uma atitude política do que a tradução de um consenso entre os historiadores do período.


Palavras-chave


Fernand Braudel; Gaston Bachelard; Descontinuidade

Texto completo:

188-203


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i13.568

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia