Pintura de uma paisagem

A historiografia do império português na década de 1960: formas de institucionalização e projeções

Diogo Ramada Curto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar um balanço da historiografia acerca do império português produzida em Portugal no século xx. No artigo buscam desenvolver-se dois argumentos. De um lado, o de que, desde os anos 1960, a universidade tendeu a monopolizar o campo intelectual português e a constituir-se como centro da produção historiográfica sobre o império ultramarino e, em especial, sobre a temática dos Descobrimentos. De outro, intenta-se refletir sobre esta institucionalização da produção de conhecimento e a maneira como esse processo acabou por construir um saber sobre o passado que não foi produzido de forma autónoma, mas sim sujeito a agendas e conotações de natureza política, que moldaram o recorte e seleção das fontes, bem como a constituição de temáticas e abordagens.


Palavras-chave


Historiografia portuguesa; Portugal; Campo historiográfico

Texto completo:

111-123


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i10.508

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia