Pintura de uma paisagem

Chegará o tempo da história?

Guilherme Pereira das Neves

Resumo


Considerando alguns episódios desde o final do século XVII e início do XVIII até as últimas décadas do XX, este ensaio procura sugerir, primeiramente, a permanente tensão que a prática historiográfica, ao constituir-se em paralelo ao mundo contemporâneo, absorveu entre a crescente especialização exigida pela profissionalização do campo no Ocidente e o papel que a disciplina adquiriu como conhecimento destinado a orientar amplos e diversificados estratos da população para a vida. Em seguida, pretende discutir o lugar que a história ocupa hoje em dia no Brasil, diante do crescimento exponencial, de um lado, dos programas de pós-graduação; e, do outro, da fragilidade da consciência histórica que o país parece ter desenvolvido. Para tanto, recorre em particular aos argumentos de Philippe Ariès, O tempo da história [1954], livro muito pouco valorizado entre nós.

Palavras-chave


Campo historiográfico; Teoria da história; Philippe Ariès

Texto completo:

222-245


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i9.464

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia