Lembrar abril: as historiografias brasileira e portuguesa e o problema da transição para a democracia

Autores

  • Américo Oscar Guichard Freire Fundação Getúlio Vargas
  • Francisco Carlos Palomanes Martinho Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v0i10.462

Palavras-chave:

Historiografia, Memória, Transição

Resumo

O objetivo deste texto é situar e analisar algumas questões que têm marcado a produção historiográfica brasileira e portuguesa acerca do tema da transição democrática. Discute-se como os estudos históricos têm lidado com a memória social a respeito da experiência autoritária nos dois países. Em seguida, examinam-se correntes interpretativas que colocam em questão o significado e a profundidade das mudanças desencadeadas na esteira da transição democrática. Não caberá aqui uma intercalação de teses, umas mais modernas, em substituição a outras, arcaicas, e sim chamar atenção para um debate que, marcado pelos impactos do tempo presente, está longe de se esgotar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Américo Oscar Guichard Freire, Fundação Getúlio Vargas

CPDOC

Francisco Carlos Palomanes Martinho, Universidade de São Paulo

FFLCH - Departamento de História, área de História Ibérica

Downloads

Publicado

2012-08-05

Como Citar

FREIRE, A. O. G.; MARTINHO, F. C. P. Lembrar abril: as historiografias brasileira e portuguesa e o problema da transição para a democracia. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 5, n. 10, p. 124–145, 2012. DOI: 10.15848/hh.v0i10.462. Disponível em: https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/462. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê “Diálogos historiográficos: Brasil e Portugal”