As “artes da memória'' em Michel de Certeau

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v15i38.1782

Palavras-chave:

Michel de Certeau, Memória, Historiografia

Resumo

No campo da pesquisa histórica, Michel de Certeau tornou-se conhecido pelo trabalho da década de 1970 “A operação historiográfica”, que foi inserido na obra A escrita da História. A abordagem original que dera ao tema serviu de plataforma para várias investigações posteriores. Entretanto, a relação tensa inserida entre o conhecimento do passado e as “artes” da memória não receberam a devida atenção nos estudos históricos ou culturais. Esse é o objetivo deste artigo, buscando aprofundar as intuições postas acerca da temporalidade, do ato de lembrar e seu potencial de inconformidade. O intuito é apresentar hermeneuticamente a parte dedicada ao problema na obra A invenção do cotidiano: artes de fazer, publicada na França em 1980. Observa-se na reflexão, um distanciamento entre memória e historiografia, não apenas devido às capacidades e as características típicas da escritura, mas principalmente captado sob a influência da filosofia pragmática e da abordagem bioenergética da lembrança. As tensões apontadas pelo autor permaneceram pouco exploradas, posteriormente, na Teoria da História.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AHEARNE, Jeremy. Michel de Certeau: interpretation and its other. California: Stanford University Press, 1995.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

BOCCHETTI, André. Entre golpes e dispositivos: Foucault, Certeau e a constituição dos sujeitos. Revista História da Historiografia, Ouro Preto, v. 8, n. 18, 2015. p. 43-56.

BUCHANAN, Ian. Michel de Certeau: cultural theorist. New York: Sage Publications, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática – procedido de três estudos sobre etnologia Cabila. Oeiras: Celta, 2002.

CAPINAN, José C. Inquisitoriais – Poemas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

CARBONELL, Charles O. Historiografia. Lisboa: Teorema, 1987.

CERTEAU, Michel de. Un interview avec Michel de Certeau (with Laura Willet). Traverses, v. 1, n. 1, 1983. p. 1-13.

CERTEAU, Michel de. Traverses: une interview avec Michel de Certeau (with Laura Willet. UCLA (USA), Paroles Gelées, v.1, n.1, 1983. p.1-13.

CERTEAU, Michel de. The Writing of History. New York: University of Columbia Press, 1988.

CERTEAU, Michel de. Psicanálise e História. In: LE GOFF, J. e CHARTIER, R. (dir.). A nova História. Coimbra: Editora Almedina, 1990. p. 533-543.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas, SP: Papirus, 1995.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CERTEAU, Michel de. O riso de Foucault. In: CERTEAU, Michel. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2011. p. 117-130.

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2011.

CERTEAU, Michel de. A fábula mística (vol. II). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

CLAUSEWITZ, Carl von. Da guerra. Lisboa: Edições Europa-América, s/d.

DOSSE, François. Michel de Certeau – Le marcheur blessé. Paris: La Découverte, 2002.

DOSSE, François. O império do sentido: a humanização das Ciências Humanas. São Paulo: Edusc, 2003.

FERRY, Luc e RENAUT, Alain. Pensamento 68 – Ensaio sobre o anti-humanismo contemporâneo. São Paulo: Editora Ensaio, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir – Nascimento da prisão. 24ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de janeiro: Graal, 1988.

GIARD, Luce. História de uma pesquisa. In: CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996. p. 9-32.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. 2ª ed. São Paulo: Editora Centauro, 2013.

LE GOFF, Jacques. e NORA, Pierre (Coord.). História: novos problemas. 4 ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Editora Ática, 1991.

MAIGRET, Éric. Les trois héritages de Michel de Certeau: un projet eclaté d’analyse de la modernité. Annales – Histoire et Sciences Sociales, Paris, v.55, n.3, 2000. p. 511-549.

NORA, Pierre. Entre Memória e História – a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v.10, 1983. p.7-28.

QUADROS, Eduardo G. A vivência religiosa como objeto da História das Religiões: uma leitura de Michel de Certeau. Impulso – Revista de Ciências Sociais e Humanas, Piracicaba, v. 15, n. 37, 2004. p. 101-109.

QUADROS, Eduardo G. No princípio, um lugar: a arqueologia religiosa de Michel de Certeau. História Revista, Goiânia, v. 12, n. 1, jan.-jun. 2007. p. 81-96.

RICOUEUR, Paul. Memória, História, Esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

VAINFAS, Ronaldo. Os protagonistas anônimos da História. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2002.

YATES, Frances A. A arte da memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

WARD, Graham (ed.). The Certeau reader. Oxford: Blackwell Publishers, 2000.

WHITE, Hayden. Storia mística. Discipline Filosofiche, Bologna, ano XVIII, n. 1, 2008. p. 35-45.

ZEITLER, Tomás E. Cuarenta años de La Escritura de la História. Historiografías, Zaragoza, n. 9, 2015. p. 65-80.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

DE QUADROS, E. As “artes da memória’’ em Michel de Certeau . História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 15, n. 38, p. 17–38, 2022. DOI: 10.15848/hh.v15i38.1782. Disponível em: https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1782. Acesso em: 2 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigo original