Decolonizar a historiografia medieval

Introdução à ‘História da Historiografia Medieval - Novas Abordagens’

Palavras-chave: Historiografia Medieval, História da Historiografia, Teoria da História

Resumo

Nesta introdução, que apresenta o dossiê da revista História da Historiografia dedicado à Historiografia Medieval, buscamos problematizar o modo como a escrita da história na Idade Média foi conceituada pela sensibilidade histórica ocidental. Desde o século XVIII, com o surgimento do “regime de historicidade moderno” (HARTOG), a historiografia medieval tendeu a ser tratada como anacrônica, fantasiosa, desconcertantemente não confiável, se não essencialmente inexistente. Alternativamente, sugerimos que as representações medievais do passado se tornaram, aos olhos da razão ocidental, “passados subalternos” (CHAKRABARTY). Mas em que medida podemos falar de uma historiografia medieval? A decolonização é uma maneira de pluralizar a consciência histórica para além de um privilégio moderno e ocidental? Ou, por outro lado, inscrever os gêneros narrativos medievais sob o guarda-chuvas genérico de “historiografia” é manobra intelectual que apenas reforça o universalismo? As oito contribuições incluídas neste número da História da Historiografia apontam para possíveis soluções para esses questionamentos. Indo além desse cenário, oferecem um amplo inventário de gêneros e ferramentas analíticas consideradas úteis para enfrentar os desafios levantados pelo engajamento com os passados dos medievais. A diversidade de perspectivas também demonstra como o estudo das representações medievais do passado e seus usos no presente podem mobilizar e fazer coexistir a análise erudita das fontes com abordagens teoricamente orientadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Bragio Bonaldo , Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em história (UFRGS)

Professor de Teoria da História (UFSC) 

Referências

ANHEZINI, Karina. Gabrielle Spiegel, textualidades, passado e virada linguística. In: AVELAR, Alexandre de Sá; BENTIVOGLIO, Julio. O Futuro da História: Da crise à reconstrução de teorias e abordagens. Vitória: Editora Milfontes, p. 227-239, 2019.

AURELL, Jaume. El nuevo medievalismo y la interpretación de los textos históricos. HISPANIA. Revista Española de Historia n. 66, v. 224, p. 809-832, 2006.

AURELL, Jaume. From Genealogies to Chronicles: the Power of the Form in Medieval Catalan Historiography. Viator, n. 36, p. 235-264, 2005.

AURELL, Jaume. Authoring the Past: History, Autobiography, and Politics in Medieval Catalonia. Chicago: The University of Chicago Press, 2012.

AURELL, Jaume. La historiografía medieval: siglos IX-XV. In: Comprender el pasado. Una historia de la escritura y el pensamiento histórico (Aurell, Jaume; Balmaceda, Catalina; Burke, Peter; Soza, Felipe). Madrid: Ediciones Akal, p. 95-142, 2013.

AURELL, Jaume. La historiografía medieval. Entre la historia y la literatura. València: Publicacions de la Universitat de València, 2016.

AVILA, Arthur de Lima; NICOLAZZI, Fernando; TURIN, Rodrigo. A História (in)Disciplinada. Vitória: Editora Milfontes, 2019.

BRUNNER, Otto. Land and Lordship: Structures of Governance in Medieval Austria. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. 1992.

COELHO, A. L. S; BELCHIOR, Y. K. A extrema-direita brasileira e sua visão (ideológica) da cavalaria medieval. In: BUENO, André; BIRRO, Renan; BOY, Renato. Ensino de História Medieval e História Pública. Rio de Janeiro: Sobre Ontens/UERJ, 2020.

CHAKRABARTY, Dipesh. Histórias de minorias, passados subalternos. In: SANCHES, Maria Ribeiro (org). Deslocalizar a Europa: Antropologia, Arte, Literatura e História na Pós-colonialidade. Lisboa: Edições Cotovia, p. 209-230, 2005.

CHAKRABARTY, Dipesh. Anthropocene time. History and Theory. v. 57, n. 1, mar., p 5-38, 2018.

CHENU, Marie-Dominique. Auctor, actor, autor. Archivum Latinitatis Medii Aevi, n. 3, p. 81-86, 1927.

DOMANSKA, Ewa. El viraje performativo en la humanística actual. In: Criterios, Havana, n. 37, p. 125-142, 2011.

DE CERTEAU, M. Une pratique sociale de la différence: croire. In: Faire croire. Modalités de la diffusion et de la réception des messages religieux du XIIe au XVe siècle. Actes de table ronde de Rome (22-23 juin 1979) Rome: École Française de Rome, p. 363-383, 1981.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. A Idade Média. Nascimento do Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2001.

GUENÉE, Bernard. Histoire et culture historique dans l’Occident médiéval. Paris: Editions Aubier-Montaigne, 1980.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. A cultura histórica oitocentista: a constituição de uma memória disciplinar. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy. História Cultural: experiências de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

GRECCO, Gabriela de Lima; SCHUSTER, Sven. Decolonizing Global History? A Latin American Perspective. Journal of World History, n. 2, v. 31, p. 425-446, Junho de 2020.

JORDHEIM, Helge. Introduction: Multiple times and the work of synchronization. Forum: Multiple Temporalities. History and Theory, n. 53, p. 498-518, 2014.

LANZIERI JÚNIOR, C. Ontem e hoje, o porta estandarte: reflexões sobre os usos do passado medieval, a estética bolsonarista e os discursos recentes da direita brasileira. Roda da Fortuna, n. 2, v. 8, p. 189-209, 2019.

LE GOFF, Jacques. Un long Moyen Âge. Paris: Tallandier Éditions, 2004.

MATEUS, Samuel. A Querela dos Antigos e dos Modernos: um mapeamento de alguns topoi. Cultura: revista de História e Teoria das ideias, v. 29, p. 179-200, 2012.

OLIVEIRA, M. da Glória de. Temporalidade da luta ou a potência de uma operação historiográfica feminista decolonial. Humanas: pesquisadoras em rede. Junho, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3fGE20m. Acesso em: 19 jun. 2020.

PACHÁ, Paulo. “Why the Brazilian far right loves the European middle ages”. Pacific Standard. Fevereiro, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2NbQZTw Acesso em: 20 jun. 2020.

PAUL, Herman. A Weberian medievalist: Hayden White in the 1950s. Rethinking History: The Journal of Theory and Practice. n. 12 v. 1, p. 75-102, 2008.

PEREIRA, Mateus; ARAUJO, Valdei. Vozes sobre Bolsonaro: esquerda e direita em tempo atualista. In: KLEM, Bruna Stutz; PEREIRA, Mateus; ARAUJO, Valdei. Do fake ao fato: (des) atualizando Bolsonaro. Vitória: Editora Milfontes, p. 125-150, 2020.

SETH, Sanjay. Razão ou Raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, n. 11, v. 6, p. 173-189, 2013.

SILVEIRA, Aline Dias da. História Global da Idade Média: estudos e propostas epistemológicas. Roda da Fortuna, n. 1, v. 8, p. 210-236, 2019.

SIMON, Zoltán Boldizsár. History in Times of Unprecedented Change: A Theory for the 21st Century. London: Bloomsbury, 2019.

SPIEGEL, Gabrielle M. Political Utility in Medieval Historiography: a Sketch. History and Theory, n. 3, v. 14, p. 314-325, 1975.

SPIEGEL, Gabrielle M. Genealogy: Form and Function in Medieval Historical Narrative. History and Theory, n. 1, v. 22, p. 43-53, 1983.

SPIEGEL, Gabrielle M. History, Historicism and the Social Logic of the Text. Speculum, n. 1, v. 65, p. 59-86, 1990.

SPIEGEL, Gabrielle M. Romancing the Past: the Rise of Vernacular Prose Historiography in Thirteenth-Century France. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press, 1995.

SPIEGEL, Gabrielle M. The task of the historian. Presidential address delivered at the 123rd annual meeting of the American Historical Association, held in New York City in 2009. Disponível em: https://www.historians.org/about-aha-and-membership/aha-history-and-archives/presidential-addresses/gabrielle-m-spiegel. Acesso em: 10 mai. 2020.

SPIEGEL, Gabrielle M. Structures of Time in Medieval Historiography. The Medieval History Journal, n. 1, v. 19, p. 21-33, 2016.

TEEUWEN, Mariken. The Vocabulary of Intellectual Life in the Middle Ages. Turnhout: Brepols, 2003.

TURIN, R. História da historiografia e memória disciplinar: reflexões sobre um gênero. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, n. 13, v. 6, p. 78-95, 2013.

TURNER, Victor. An Anthropological approach to the icelandic saga. In: BIDELMAN, T. (Ed.). The Translation of culture: essays to E.E. Evans-Prichrad. Londres: Tavistock, 1971.

Publicado
2020-07-28
Como Citar
REZAKHANI, K.; VIANNA, L. J.; PINTO, O. L. V.; BONALDO , R. B. Decolonizar a historiografia medieval : Introdução à ‘História da Historiografia Medieval - Novas Abordagens’. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 13, n. 33, p. 19-37, 28 jul. 2020.
Seção
Dossiê: História da Historiografia Medieval: Novas Abordagens