É possível uma história da historiografia medieval?

Palavras-chave: História da historiografia, História medieval, Antropologia

Resumo

Neste artigo, ao tomar como ponto de partida uma possível dubiedade da historiografia medieval, nos propomos a refletir sobre as limitações de uma episteme temporal e espacialmente centrada na Europa e na modernidade, além de traçar alguns caminhos possíveis à compreensão dos modos de historicização medievais. Essas reflexões possuem como princípio um debate alavancado pela historiografia francesa da segunda metade do século XX acerca da existência de uma fratura entre modernos e pré-modernos, que impediria uma percepção acurada das experiências humanas do passado a partir de um vocabulário guiado pela modernidade. Nessa perspectiva, o próprio conceito moderno de história, fruto dos séculos XVIII e XIX, seria incapaz de apreender modos de produzir e representar o passado anteriores a sua concepção. A fim de responder tais questionamentos, procuramos traçar outras possibilidades de compreensão dos conceitos de história e historiografia através de uma aproximação entre os estudos medievais, a história da historiografia e a antropologia. As considerações estabelecidas aqui buscam reafirmar demandas atuais da história disciplinar, ao mesmo tempo que aventam uma abertura da história da historiografia como um meio de abarcar os múltiplos modos de historicização pré-modernos e não ocidentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. História da historiografia como analítica da historicidade. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiograhy, v. 6, n. 12, p. 34-44, 2013. DOI 10.15848/hh.v0i12.620. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/620. Acesso em: 16 out. 2019.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Sobre o lugar da história da historiografia como disciplina autônoma. Locus: Revista de História, v. 12, n. 1, p. 79-94, 2006. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/20629. Acesso em: 16 out. 2019.

AUBERT, Eduardo Henrik. L’anthropologie historique par le détour de la musicologie: une ethnomusicologie historique du Moyen Âge est-elle souhaitable?. L’Atelier du Centre de recherches historiques: Revue électronique du CRH, v. 6, n. 1, p. 1-13, 2010. Disponível em: https://journals.openedition.org/acrh/1916. Acesso em: 16 out. 2019.

BASCHET, Jérôme. Jacques Le Goff e o local correto das descontinuidades na História. Brathair: Revista de Estudos Celtas e Germânicos, v. 16, n. 2, p. 114-135, 2016. Disponível em: ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair/article/view/1248. Aceso em: 16 out. 2019.

BENATTE, Antonio Paulo. História e antropologia no campo da Nova História. Revista História em Reflexão, v. 1, n. 1, p. 1-25, 2007. Disponível em: http://ri.uepg.br/riuepg/bitstream/handle/123456789/523/ARTIGO_HistoriaAntropologiaCampo.pdf?sequence=1. Acesso em: 16 out. 2019.

COHEN, Jeffrey J. Introduction: Midcolonial. In: COHEN, Jeffrey J. (org.). The postcolonial Middle Ages. New York: St. Martin’s Press, 2000. p. 1-17.

GUENÉE, Bernard. Histoire et culture historique dans l’Occident médiéval. Paris: Editions Aubier-Montaigne, 1980.

GUERREAU, Alain. El Futuro de un Pasado: la Edad Media en el siglo XXI. Barcelona, Crítica, 2002.

HAR-PELED, Misgav. Décoloniser l’histoire occidentale: Les naissances politiques de l’anthropologie historique. L’Atelier du Centre de recherches historiques: Revue électronique du CRH, v. 6, n. 1, p. 1-13, 2010. Disponível em: https://journals.openedition.org/acrh/1914. Acesso em: 16 out. 2019.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícias Maas; Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC-RIO, 2012.

LAKE, Justin. Current approaches to medieval historiography. History Compass, v. 13, n. 13, p. 89-109, 2015. DOI 10.1111/hic3.12222. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/hic3.12222. Acesso em: 16 out. 2019.

LE GOFF, Jacques. Para um novo conceito de Idade Média: tempo, trabalho e cultura no Ocidente. Lisboa: Estampa, 1993.

PALMIÉ, Stephan; STEWART, Charles. Introduction: For an anthropology of history. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 6, n. 1, p. 207-236, 2016. DOI 10.14318/hau6.1.014. Disponível em: https://www.haujournal.org/index.php/hau/article/view/hau6.1.014. Acesso em: 16 out. 2019.

SANTOS, Pedro Afonso Cristovão dos; NICODEMO, Thiago Lima; PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. Historiografias periféricas em perspectiva global ou transnacional: eurocentrismo em questão. Estudos Históricos, v. 30, n. 60, p. 161-186, 2017. DOI 10.1590/s2178-14942017000100009. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/65456. Acesso em: 16 out. 2019.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

SCHMITT, Jean-Claude. O corpo, os ritos, os sonhos, o tempo: ensaios de antropologia medieval. Petrópolis: Vozes, 2014.

SETH, Sanjay. Razão ou Raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiograhy, v. 6, n. 11, p. 173-189, 2013. DOI 10.15848/hh.v0i11.554. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/554. Acesso em: 16 out. 2019.

SPIEGEL, Gabrielle. The past as text: the theory and practice of medieval historiography. Baltimore: John Hopkins University Press, 1997.

STEWART, Charles. Historicity and Anthropology. Annual Review of Anthropology, v. 45, n. 1, p. 79-94, 2016. DOI 10.1146/annurev-anthro-102215-100249. Disponível em: https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev-anthro-102215-100249. Acesso em: 16 out. 2019.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
DE ANDRADE, R. P. É possível uma história da historiografia medieval?. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 13, n. 33, p. 39-58, 22 jul. 2020.
Seção
Dossiê: História da Historiografia Medieval: Novas Abordagens