Alexandre Herculano entre a imparcialidade e a parcialidade

Palavras-chave: Historiografia portuguesa, Século XIX, Objetividade

Resumo

Em toda a obra histórica de Alexandre Herculano reivindicações de imparcialidade misturam-se à parcialidade das crenças, ideais e interesses que conformam o ponto de vista do autor. Encontram-se nela tanto o compromisso com a busca desinteressada da verdade quanto a intenção pragmática de remodelar as relações da sociedade portuguesa com o seu passado, e com os efeitos deste sobre o presente. Revisitando os principais escritos históricos de Herculano, o presente trabalho procura entender como é possível que textos de história sejam ou pretendam ser, ao mesmo tempo, verdadeiros e úteis, objetivos e engajados, imparciais e parciais. Quero mostrar que essas oposições não necessariamente funcionam como contradições paralizantes, e que bons historiadores como Herculano são capazes de extrair delas uma enorme quantidade de energia intelectual. Concentrar-me-ei, em particular, na tensão entre a imparcialidade e a parcialidade para tentar evidenciar – com leituras atentas e análises contextuais  – que ela se configura de pelo menos dois modos distintos, ligados à significação positiva ou negativa do passado estudado para a pessoa que o estuda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Alfaix Assis, Universidade de Brasília

Professor associado de teoria e metodologia da história da Universidade de Brasília. Doutor em história pela Universidade de Witten/Herdecke, Alemanha. Mestre em história pela Universidade de Brasília. Bacharel e licenciado em história pela Universidade Federal de Goiás. Áreas de interesse: teoria da história e história do pensamento histórico. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8429201333920233

Referências

BEAU, Albin Eduard. Estudos, v. II. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1964.

BEIRANTE, Cândido. Alexandre Herculano: as faces do poliedro. Lisboa: Vega, 1991.

BERGER, Stefan. ‘Fathers’ and Their Fate in Modern European National Historiographies. Storia della Storiografia, n. 59-60, p. 228-247, 2011.

BERGER, Stefan (org.). The Engaged Historian: Perspectives on the Intersections of Politics, Activism and the Historical Profession. New York: Berghahn Books, 2019.

BERNSTEIN, Harry. Alexandre Herculano (1810-1877): Portugal’s Prime Historian and Historical Novelist. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983.

BORGES DE MACEDO, Jorge. A tentativa histórica Da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal e as insistências polêmicas. In: HERCULANO, A. História da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal, tomo I. Lisboa: Bertrand, 1975. p. xi-cxxxiv.

BRAGA, Theophilo. História do Romantismo em Portugal. Lisboa: Nova Livraria Internacional, 1880.

BRANCO, João Pedro. O municipalismo no pensamento de Alexandre Herculano (Dissertação de mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2007.

BROWN, David. Walter Scott and the Historical Imagination. London: Routledge & Keagan Paul, 1979.

BUESCU, Ana Isabel Carvalhão. O Milagre de Ourique e a História de Portugal de Alexandre Herculano: uma polêmica oitocentista. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987.

CARVALHO, Joaquim Barradas de. As ideias políticas e sociais de Alexandre Herculano. Lisboa: Typographia Garcia & Carvalho, 1949.

CATROGA, Fernando. Alexandre Herculano e o historicismo romântico. In: TORGAL, L. R. et al. (orgs.). História da História em Portugal: séculos XIX-XX. Lisboa: Círculo de Leitores, 1996. p. 38-85.

COELHO, Maria Filomena. Revisitando o problema da centralização do poder na Idade Média. Reflexões historiográficas. In: NEMI, A. et al. (orgs.). A construção da narrativa histórica (sécs. XIX-XX). Campinas: Ed. Unicamp, 2014. p. 39-62.

COELHO, Maria Helena da Cruz. Alexandre Herculano: a história, os documentos e os arquivos do século XIX. Revista Portuguesa de História, v. 42, p. 61-84, 2011.

CREYGHTON, Camille. Impartiality, Objectivity, and Political Engagement in Nineteenth-Century French Historiography: Monod and the Dreyfus Affair. History of Humanities, v. 3, p. 279-302, 2018.

DASTON, Lorraine. Objectivity and Impartiality: Epistemic Virtues in the Humanities. In: BOD, R. et al. (orgs.). The Making of Humanities, v. 3: The Modern Humanities. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2014. p. 27-42.

FOARD, Douglas W. The Spanish Fichte: Menendez y Pelayo. Journal of Contemporary History, v. 14, n. 1, p. 83–97, 1979.

FOSTER, Regula; YAVARI, Neguin. Introduction. In: FOSTER, R; YAVARI, N. (orgs.). Global Medieval: Mirrors for Princes Reconsidered. Boston: Ilex Foundation, 2015, p. 1-10.

GODINHO, Vitorino de Magalhães. “Herculano, o cidadão e o historiador no mundo do progresso”. In: HERCULANO, A. O cidadão e o historiador: antologia. Lisboa: INCM, 2010. p. 7-96.

HASKELL, Thomas L. Objectivity is not Neutrality: Explanatory Schemes in History. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2000.

HERCULANO, A. Cartas sobre a história de Portugal [1842]. In: HERCULANO, A. O cidadão e o historiador: antologia. Lisboa: INCM, 2010. p. 97-171.

HERCULANO, A. História de Portugal: desde o começo da monarquia até o fim do reinado de Afonso III (4 tomos). Lisboa: Bertrand, 1980-1981 [1as eds. 1846-1853] [Obras completas de Alexandre Herculano].

HERCULANO, A. O bobo (1128). Lisboa: Bertrand, 1978 [1a ed. 1843 (1878)] [Obras completas de Alexandre Herculano].

HERCULANO, A. O monge de Cister (2 tomos). Lisboa: Bertrand, 1977-1978 [O Monasticon, ts. 2-3] [1a ed. 1848] [Obras completas de Alexandre Herculano].

HERCULANO, A. História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal (3 tomos). Lisboa: Bertrand, 1975-1976 [1as eds. 1854-1859] [Obras completas de Alexandre Herculano].

HERCULANO, A. Eu e o Clero [1850]. In: HERCULANO, A. Opúsculos, tomo III: Controvérsias e estudos históricos (tomo I). Lisboa: Bertrand, 1876-a. p. 3-34.

HERCULANO, A. Solemnia verba: ao Sr. A. L. Magessi Tavares [1850]. In: HERCULANO, A. Opúsculos, tomo III: Controvérsias e estudos históricos (tomo I). Lisboa: Bertrand, 1876-b. p. 62-98.

HERCULANO, A. A ciência arábico-acadêmica [1851]. In: HERCULANO, A. Opúsculos, tomo III: Controvérsias e estudos históricos (tomo I), Lisboa: Bertrand, 1876-c. p. 185-234.

HERCULANO, A. Do estudo das classes servas na Península: desde o VIII até o XII século [1858]. In: HERCULANO, A. Opúsculos, tomo III: Controvérsias e estudos históricos (tomo I). Lisboa: Bertrand, 1876-d. p. 235-332.

HERCULANO, A. Proêmio. In: HERCULANO, A. Portugaliæ Monumenta Historica, Scriptores: vol. 1, fasc. 1. Lisboa: Typis Academicis, 1856, p. v-xxiii [co-assinado por J. Mendes Leal].

HERCULANO, A. Cartas, tomos I-II, 4ª ed. Lisboa: Bertrand, s.d.-a.

HERCULANO, A. A padeira d’Aljubarrota [1839]. In: HERCULANO, A. Composições várias, 3ª. ed. Lisboa: Bertrand, s.d.-b. p. 135-142.

JUHNKE, Dominik. Leopold von Ranke: Biografie eines Geschichtsbesessenen. Berlin: Vergangenheitsverlag, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. Begriffsgeschichten. Studien zur Semantik und Pragmatik der politischen und sozialen Sprache. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2006.

KUUKKANEN, Jouni-Matti. Postnarrativist Philosophy of Historiography. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2015.

LEA, Henry Charles. A History of the Inquisition of Spain, v. III. New York: Macmillan, 1907.

LEITÃO, Ruben Andresen. D. Pedro V e Herculano. Coimbra: s. n., 1954.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Obra completa, v. III. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006.

MARINHO, Maria de Fátima. O Romance Histórico em Portugal. Porto: Campo das Letras, 1999.

MATOS, Álvaro Costa de (org.). Alexandre Herculano: um pensamento ‘poliédrico’. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 2005.

MATOS, Sérgio Campos. Consciência histórica e nacionalismo: Portugal, séculos XIX e XX. Lisboa: Horizonte, 2008.

MATOS, Sérgio Campos. Historiografia e memória nacional (1846-1898). Lisboa: Colibri, 1998.

MATTOSO, José. Prefácio. In: HERCULANO, A. História de Portugal, tomo I. Lisboa: Bertrand, 1980. p. vii-lii.

MATTOSO, José. Notas críticas ao Livro VIII. In: HERCULANO, A. História de Portugal, t. IV. Lisboa: Bertrand, 1981. p. 171-180; p. 345-352; p. 585-592.

MEDINA, João. Herculano e a geração de 70. Lisboa: Terra Livre, 1977.

MEGILL, Allan. Historical Knowledge, Historical Error: A Contemporary Guide to Practice. Chicago: Chicago University Press, 2007.

MENÉNDEZ PELAYO, Marcelino. De la historia, considerada como obra artística [1883]. In: MENÉNDEZ PELAYO, M. Estudios de crítica literária, 1a serie. Madrid: Est. Tipográfico ‘Sucesores de Rivadenevrad’, 1893. p. 79-135.

MENÉNDEZ PELAYO, Marcelino. Letras e literatos portugueses, II. La Tertulia (Segunda época), n. 9, p. 257-266, 1876.

MÓNICA, Maria Filomena. D. Pedro V. Lisboa: Círculo de Leitores, 2005.

MURPHY, Kathryn; TRANINGER, Anita. Introduction: Instances of Impartiality. In: MURPHY, K.; TRANINGER, A. (orgs.). The Emergence of Impartiality. Leiden: Brill, 2014. p. 1-29.

NEMÉSIO, Vitorino. A mocidade de Herculano. Lisboa: INCM, 2003 [1a ed. 1934].

OLIVEIRA MARTINS, João Pedro de. Portugal contemporaneo, tomo II, 3a ed. (posthuma). Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira, 1895 [1a ed. 1881].

PHILLIPS, Mark Salber. On Historical Distance. New Haven: Yale University Press, 2013.

RAPPORT, Mike. 1848: Year of Revolution. New York: Basic Books, 2009.

RIBEIRO, Carlos Portugal, Alexandre Herculano: a sua vida e a sua obra (2 tomos). Lisboa: Typographia da Emprêsa Nacional de Publicidade, 1933.

SAMPAIO, Maria Eduarda Almeida. Herculano e Scott (Tese). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1938.

SARAIVA, António José. Herculano desconhecido (1851-1853). Lisboa: Europa-América, 1971 [1a ed. 1952].

SARAIVA, António José. Herculano e o liberalismo em Portugal: os problemas morais e culturais da instauração do regime (1834-1850). Lisboa: Edição do Autor, 1949.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. Herculano e a consciência do liberalismo português. Lisboa: Bertrand, 1977.

TORGAL, Luís Reis. “Antes de Herculano”, In: TORGAL, L. R. et al. (orgs). História da História em Portugal: séculos XIX-XX. Lisboa: Círculo de Leitores, 1996. p. 19-37.

Publicado
2020-04-28
Como Citar
ASSIS, A. A. Alexandre Herculano entre a imparcialidade e a parcialidade. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 13, n. 32, p. 289-329, 28 abr. 2020.
Seção
Artigo