Método utópico, viagem científica

como descobrir uma ciência utópica do social?

Palavras-chave: Ciências sociais, Ciência, Utopia

Resumo

O artigo analisa a relação entre utopia e ciência, no início do século XIX, à luz da historicidade da ciência social então nascente. Seu foco principal se dirige aos primeiros escritos de Saint-Simon, Robert Owen e Charles Fourier, que escreveram suas principais obras nas três primeiras décadas do XIX. A hipótese de leitura é a de que, com esses autores, é possível apreender a singular instituição de uma ciência utópica do social que articula pesquisa empírica e imaginação dos possíveis. A conclusão a que se chega é que uma ciência utópica dos fatos sociais pode ser o nome de uma lógica da descoberta científica que articula experimentação teórica à descoberta de novas rotas para as configurações políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Estrada Rodrigues, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Historiador, com doutorado em filosofia (USP) e pós-doutorado em culturas políticas (2006-UFMG) e poéticas visuais (2019-University of the Arts London)

Referências

ABENSOUR, M. Le procès des maîtres rêveurs suivi de Pierre Leroux et l´utopie. Paris: Editions Sulliver, 2000.

ABENSOUR, M. “L´utopie socialiste: une nouvelle aliance de la politique et de la religion. In: ABENSOUR, M. Utopiques II: l´ homme est un animal utopique. Paris: Sens & Tonka, 2013.

ABENSOUR, M. “Excursus. Lire Owen”. In: ABENSOUR, M. Utopiques IV: l´histoire de l´utopie et le destin de sa critique. Paris: Sens & Tonka, 2016.

ABENSOUR, M. “Os dois caminhos da conversão utópica: a epoché e a imagem dialética. In: NOVAES, Adauto (org.). Mutações: o novo espírito utópico. São Paulo: Ed. Sesc, 2016.

ARENDT, H. O conceito de história – antigo e moderno. In: ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BENJAMIN, W. Paris, capitale du XIXe siècle: le livre des passages. Paris: Cerf, 1989.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de história. Obras escolhidas volume 1. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BRETON, A. Ode a Charles Fourier. Paris: Fata Morgana, 1995.

BENOIT, L. Sociologia comteana. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.

BENTIVOGLIO; CUNHA; BRITO (orgs). Distopia, literatura e história. Vitória: Milfontes, 2017.

BUBER, M. O socialismo utópico. 2ª edição. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CAMPOS, Haroldo de. Poesia e modernidade: da morte do verso à constelação. O poema pós-utópico. In: CAMPOS, Haroldo de. O arco-íris branco. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

DEBOUT, S. L´utopie de Charles Fourier. Paris: Les Presses du Réel, 1998.

DURKHEIM, Émile. O socialismo. São Paulo: EDIPRO, 2016.

ENGELS, F. Do socialismo utópico ao socialismo científico. 4ª edição. São Paulo: Global Editora, 1981.

FOURIER, C. Théorie des quatre mouvements. Paris: Les Presses du Réel, 2009.

FOURIER, C. Pièges et charlatanisme des deux sectes, Saint-Simon et Owen, qui promettent l´association et le progrès. Paris: Imprimerie de Lachevandier, 1831. Disponível em: https://catalogue.bnf.fr/ark:/12148/cb30454497c. Acesso em: 10 mar. 2019.

HARTOG, François. Régimes d´ historicité: présentisme et expériences du temps. Paris: Seuil, 2013.

HOBSBAWM, E. J. “Marx, Engels e o socialismo pré-marxiano”. In: HOBSBAWM (et. al.). História do marxismo. Volume 1. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

KOSELLECK, R. “A temporalização da utopia”. In: KOSELLECK, R. Estratos do tempo: estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2014.

KONDER, Leandr. Fourier, o socialismo do prazer. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

LEROUX, P. “Lettre au Docteur Deville”. In: ABENSOUR, Miguel. Le procès des maîtres rêveurs suivi de Pierre Leroux et l´utopie. Paris: Editions Sulliver, 2000.

LÖWY, Michael. A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. 2ª edição. São Paulo: Boitempo, 2018.

LUCIANO DE SAMÓSATA. Como se deve escrever a história. Tradução e estudo crítico de Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte: Tessitura, 2009.

MARX; ENGELS. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MATOS, Olgária. O iluminismo visionário: Benjamin leitor de Descartes e Kant. São Paulo: Brasiliense, 1993.

MANNHEIM, K. Ideologia e utopia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

MERCKLÉ, P. Le socialisme, l´utopie ou la science? Tese de doutorado. Université Lyon 2: Faculté D´Anthropologie et de Sociologie, 2001. Disponível em: http://theses.univ-lyon2.fr/documents/lyon2/2001/merckle_p#p=0&a=top. Acesso em: 10 mar. 2019.

MORE, Thomas. Utopia. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

NADEAU, M. Histoire du surréalisme suivi de documents surréalistes. Paris: Ed. du Seuil, 1964.

OWEN, R. A new view of society. Disponível em: http://la.utexas.edu/users/hcleaver/368/368OwenNewViewtable.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

PICON, A. La science saint-simonienne, entre romantisme et technocratisme? In: RIOT-SARCEY (org.). L´utopie en question. Paris: Press Universitaire de Vincennes, 2001.

PICON, A. Science. In: RIOT-SARCEY; BOUCHET; PICON (orgs). Dictionnaire des utopies. Paris: Larousse, 2002.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.

RÉGNIER, Ph. Saint-Simon. In: RIOT-SARCEY; BOUCHET; PICON (orgs). Dictionnaire des utopies. Paris: Larousse, 2002.

RIOT-SARCEY, M. Le réel de l´utopie: essai sur le politique au XIXe siècle. Paris: Bibliothèque Aubin Michel, 1998.

RODRIGUES, Henrique Estrada. A utopia do mínimo que resta: o lance dos lances do velho Haroldo. Viso: cadernos de estética aplicada, n. 21, julho/dezembro de 2017. Disponível em: http://revistaviso.com.br/pdf/Viso_21_HenriqueEstrada.pdf. Acesso em: 5 maio 2019.

ROSSI, P. O nascimento da ciência moderna na Europa. Bauru: EDUSC, 2001.

SAINT-SIMON. Lettres d´un habitant de Génève a ses contemporains. 1802. Disponível em: https://catalogue.bnf.fr/ark:/12148/cb40059872r. Acesso em: 10 mar. 2019.

Publicado
2019-12-22
Como Citar
RODRIGUES, H. E. Método utópico, viagem científica: como descobrir uma ciência utópica do social?. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 12, n. 31, p. 380-409, 22 dez. 2019.
Seção
Artigo