A Filosofia da História em Oliveira Martins

itinerário das primeiras perspetivas dialéticas até uma posterior valorização do inconsciente

Palavras-chave: Teoria da história, História dos conceitos, História cultural

Resumo

Nos escritos de Oliveira Martins, um dos grandes pensadores históricos portugueses do século XIX, a filosofia da história é uma temática recorrente. Metodologicamente próximo da vertente de história da cultura e movimentos intelectuais, este estudo aborda o entrecruzar das redefinições do conceito de filosofia da história no seu pensamento. Depois de uma introdução biográfica sobre o autor e o surgimento da problemática da filosofia da história, passamos para os primeiros escritos de Martins sobre socialismo, seguindo-se a polémica em torno da caracterização da Idade Média. Essas primeiras teorizações estão imbuídas de uma visão dialética, marcadamente hegeliana, contudo a sua actividade política e renovadas leituras dão lugar a novas conceções, que valorizam o papel do inconsciente no desenvolvimento histórico. Essas transformações desembocam num posterior trabalho de sistematização. O escopo desses escritos introduziu uma perspetiva dialectica e uma noção de inconsciente na historiografia e teoria da história portuguesas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Filipe Laranjeira Gonçalves, Centro de História da Universidade de Lisboa Institut für Philosophie da Universidade de Jena

Bruno Filipe Laranjeira Gonçalves está, de momento, a realizar um doutoramento ao abrigo do Programa Interuniversitário em História (PIUDHist) integrando o grupo de investigação “Usos do Passado” do Centro de História da Universidade de Lisboa, e encontra-se no processo de formalização de uma cotutela com a Universidade de Jena, onde fará parte do Institut für Philosophie. A sua tese de doutoramento em realização "Hegelianism in Portugal: History, Philosophy and Politics (c. 1865-1933)" tem como orientador o Prof. Sérgio Campos Matos e co-orientador Klaus Vieweg. A sua licenciatura e mestrado tiveram como enfase temáticas de teoria da história com incidência no século XIX, sendo que a tese de mestrado teve por tópico "The Reception of Hegel in Portugal: The Case of Oliveira Martins". Durante o mestrado realizou um intercâmbio e estadia de investigação no Seminário de Filosofia da Universidade de Tübingen. Foi também estudante de intercâmbio no King’s College of London durante a sua licenciatura.

A sua área de interesses engloba a história intelectual nas vertentes da receção de ideias, apropriação e elaboração de conceitos. As temáticas abordadas pela perspectiva das transferência culturais, bem como a história e filosofia da cultura, tem suscitado igualmente o seu interesse. Destacando-.se ainda os problemas da hermenêutica, apontados sobretudo pela filosofia moderna, e a sua relação com a investigação histórica como motivo regular de reflexão. O escopo dos seus estudos direcionam-se por isso para a teoria da história e historiografia como ramos disciplinares da história.

Referências

ALMEIDA, Pedro Tavares de. Eleições e caciquismo no Portugal oitocentista (1868-1890). Lisboa: Difel, 1991.

ASSMANN, Aleida. Erinnerungsräume: formen und wandlungen des kulturellen gedächtnisses. München: C.H Beck, 1999.

BUSCH, Hans-Christoph Schmidt am. Eduard Gans und die Rezeption des Saint-Simonismus im Horizont der Hegelschen Sozialphilosophie. In: WASZEK, Norbert (org.). Hegelianismus und saint-simonismus. Paderborn: Mentis Verlag, 2007.

CARVALHO, Joaquim de. Antero de Quental e a Filosofia de Eduardo de Hartmann. Obra Completa, v. I, Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian, 1992.

CATROGA, Fernando. O Problema Político em Antero de Quental – um Confronto com Oliveira Martins. Revista de História das Ideias, Coimbra, v. 3, p. 341-520, 1981.

COMTE, Auguste. Discours sur l’esprit positif. Introdução e notas de A. Petit. Paris: Vrin, 1995 (1844).

FERNÁNDEZ, Eloy Clemente. J. P. d’Oliveira Martins nas minas de Santa Eufémia (1870-1874). Revista Ler História, n. 54, 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/lerhistoria/2400. Acesso em: 10 set. 2019.

FIGUEIREDO, Fidelino de. História d’um vencido da vida. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1930.

FLINT, Robert. History of philosophy of history. Edinburgh and London: William Blackwood and Sons, 1893.

GONÇALVES, Bruno. The reception of hegel in portugal: the case of Oliveira Martins. Dissertação de mestrado, História. Programa de Historiografia e Teoria da História da Universidade de Lisboa. Lisboa, 2016.

HALLENSLEBEN, Ekkehard. J. P. de Oliveira Martins und der sozialismus in der generation von 1865“. Tese de doutorado (Filologia Românica). Universidade de Köln. Köln, 1959.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: Presentismo e Experiências do Tempo. Traduzido por Andréa Souza Menezes, Bruna Beffart, Camila Rocha de Moraes, Maria Cristina de Alencar Silva, Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

HEGEL, G.W.F. Werke: Vorlesungen über die Philosophie der Geschichte, v. 12. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2015 [1837].

HERDER, J. G. Também uma filosofia da história para a formação da humanidade. Tradução, notas e posfácio de José M. Justo. Lisboa: Edições Antígona, 1995 [1774].

KOSELLECK, Reinhart. Kritik und krise. Eine Studie zur Pathogenese der bürgerlichen Welt. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1976.

LÖWITH, Karl. Meaning in history. Chicago: The University of Chicago Press, 1949.

MACHADO, Álvaro Manuel. A crítica literária em Oliveira Martins: Paixão e Ciência ou o Germanismo afrancesado. Revista da Universidade de Coimbra, Coimbra, v. 18, p. 239-245, 1999.

MARTINS, F. A. Oliveira. O Socialismo na monarquia: Oliveira Martins e a «Vida Nova». Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1944.

MARTINS, Guilhereme d´Oliveira. Oliveira Martins: Uma Biografia. Prefácio de Eduardo Lourenço e colaboração de Maria Manuela de Oliveira Martins. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1986.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. As raças e a civilização primitiva, v. I-II. Lisboa : Guimarães & Cª Editores, 1955a.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Correspondência. Prefaciada e anotada por Francisco D’Assis Oliveira Martins. Lisboa: António Maria Pereira livraria, 1926.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Elementos de antropologia. Lisboa: Guimarães Editores, 1954 [1881].

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. História da republica romana. V. I, 6º edição. Lisboa: Guimarães Editores, 1965 [1885].

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Jornal. Lisboa: Guimarães Editores, 1960.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Literatura e filosofia. Lisboa: Guimarães Editores, 1955b.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. o helenismo e a civilização cristã. Prefácio do Dr. José Marinho. Lisboa: Guimarães Editores, 1985 [1878].

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Política e história, v. I-II. Lisboa: Guimarães Editores, 1957.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. A Província, v. IV. Lisboa: Guimarães Editores, 1959.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Tábuas de cronologia e geografia histórica. Lisboa: Livraria de António Maria Pereira, 1884.

MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira. Teoria do socialismo. Prefácio do Dr. António Sérgio. Lisboa: Guimarães & Co. Editores, 1974 [1872].

MARX, KARL; ENGELS, Friedrich. Marx and Engels collected works, v. 6. London: Lawrence & Wishart, 1976.

MATOS, Sérgio Campos. Consciência Histórica e Nacionalismo (Portugal – Séculos XIX e XX). Lisboa: Livros Horizonte, 2008.

MAURÍCIO, Carlos. A invenção de Oliveira Martins: Política, Historiografia e Identidade Nacional no Portugal Contemporâneo (1867-1960). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005.

PINKARD, Terry. Eduard Gans, Heinrich Heine und Hegels Philosophie der Geschichte. In: WASZEK, Norbert (org.). Hegelianismus und Saint-Simonismus. Paderborn: Mentis Verlag, 2007.

PIRES, António Machado. A ideia de decadência na geração de 70. 2º edição. Lisboa: Vega, 1992.

QUEIROZ, Eça de. Prosas barbaras. Mem Martins: Europa-América, 1988 [1912].

QUENTAL, Antero de; MARTINS, Joaquim Pedro Oliveira; VILHENA, Júlio de. A edade-média na história da civilização. Prefaciado e anotado por Francisco d’Assis d’Oliveira Martins. Lisboa: Parceria António Maria Pereira Livraria Editora, 1925 [1873].

QUENTAL, Antero de. Cartas. Leitura, organização, prefácio e notas de Ana Maria Almeida Martins. V. 1-3. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2009.

ROLDÁN, Concha. Entre Cassandra y Clio: una História de la Filosofia de la História. Madrid: Akal S. A., 1997.

SANTOS SILVA, Augusto. Oliveira Martins e o Socialismo. Lisboa: Afrontamento, 1978.

SARAIVA, António José. A tertúlia ocidental - Estudos sobre Antero de Quental, Oliveira Martins, Eça de Queiroz e outros. Lisboa: Gradiva, 1995.

SEABRA, Jorge. Oliveira Martins raça e história. Máthesis, 1999, n. 8, p.217-270.

SÉRGIO, António. Ensaios. Tomo V. 2º edição. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1981.

VIDIGAL, Luis, Cidadania, caciquismo e poder: Portugal, 1890-1916. Lisboa : Livros Horizonte, 1988.

VILHENA, Júlio de. As raças históricas da Península Ibérica e a sua influência no direito português. Coimbra: Impresa da Universidade, 1873.

VOLTAIRE. Essai sur les mœurs. Tome I. Paris: Classiques Garnier, 1990 [1756].

VOLTAIRE. Œuvres complètes. Tome 29. Paris: Garnier Frères Libraires Editeurs, 1879.

Publicado
2019-12-22
Como Citar
LARANJEIRA GONÇALVES, B. F. A Filosofia da História em Oliveira Martins: itinerário das primeiras perspetivas dialéticas até uma posterior valorização do inconsciente. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 12, n. 31, p. 303-337, 22 dez. 2019.
Seção
Artigo