Pintura de uma paisagem

O engajamento político e historiográfico no ofício dos historiadores brasileiros: uma reflexão sobre a fundação da historiografia brasileira contemporânea (1975-1979)

Rodrigo Perez Oliveira

Resumo


Tomando como recorte de análise os anos de vigência do I Plano Nacional de Pós-Graduação (1975-1979), este artigo examina a institucionalização do tipo de historiografia que até hoje é chancelada como profissional. A hipótese apresentada sugere que nesse período havia uma forte tendência de engajamento dos intelectuais nas agendas abertas pela redemocratização. Esse clima geral de engajamento levou os historiadores a tematizarem aquilo que já na época ficou conhecido como “novo sindicalismo”, o que trouxe os trabalhadores rurais e urbanos para o primeiro plano dos interesses da historiografia acadêmica. A inflexão empírica característica dos ventos teóricos neo-historicistas que sopravam à época inspirou os historiadores a produzirem, prioritariamente, estudos de caso com objetos rigidamente recortados. A institucionalização acadêmica dessa inflexão empírica interditou o estilo ensaístico, o exercício da síntese e a diacronia de média e longa duração, dificultando a afirmação no debate público da hHistória como uma ciência social aplicada, o que explica a quase total ausência dos historiadores nas instituições que estavam mediando o ativismo político direto dos intelectuais. O principal aspecto da reflexão desenvolvida neste artigo é a tensão complementar entre um intenso engajamento historiográfico e um tímido engajamento político direto no ofício dos historiadores brasileiros durante os primeiros anos da redemocratização no país.  


Referência bibliográfica


ABRAMS, M.H. Glossary of literary terms. New York: Holt, Rinehart, and Winston, 1988.
VIII Simpósio Nacional de História, Sergipe. Anais... São Paulo: ANPUH, 1976.
VIII Simpósio Nacional de História, Florianópolis. Anais... São Paulo: ANPUH, 1979.
ARAUJO, Valdei Lopes. Pós-graduação, avaliação e o futuro da (sem) história. Anos 90, Porto Alegre, v. 23, n. 44, p. 85-110, dez. 2016
ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.
BERMAN, Paul. A tale of two utopias: the political journey of the generation of 1968. New York: Norton, 1968.
BRASIL. I PNPG. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Pós-Graduação. Brasília, DF: 1975.
BRASIL. Análise da Área de Pós-Graduação em História. CAPES/MEC, Brasília. 1976.
BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.
CÔRTES, Norma. Esperança e democracia: As ideias de Álvaro Luís Vieira Pinto. Rio de Janeiro: Ed. IUPERJ, 2003.
DIEHL, Astor Antônio. A cultura historiográfica brasileira nos anos 1980: experiências e horizontes. Passo Fundo: UPF, 2004.
DANTAS, F. Responsabilidade social e pós-graduação no Brasil: ideias para (avali)ação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 1, n. 2, p. 160-172, nov. 2004.
FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A história no Brasil (1980-1989). Ouro Preto/ MG: Ed. UFOP, 1994.
GALLAGHER, Catherine; GREENBLATT, Stephen. A prática no novo historicismo. Bauru SP: EDUSC, 2005.
JENKINS, Keith. A história repensada. São Paulo: Contexto, 2007.
LAPA, José Roberto do Amaral. História e historiografia do Brasil pós-64. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
LAHUERTA, Milton. Intelectuais e Resistência Democrática: Vida Acadêmica, Marxismo e Política no Brasil. Cadernos AEL, nº 14-15, Campinas. IFCH/UNICAMP, 2001.
MARTINS, José de Souza. Tempos de Luta: os trinta anos da Revista Debate & Crítica. Jornal da USP, ano XVIII n.623. https://goo.gl/DSU3uR. Consultado em 19 out. 2017.
MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A modernização autoritárioconservadora nas universidades e a influência da cultura política. In: REIS, Daniel Aarão; MOTTA, Rodrigo Patto Sá; RIDENTI, Marcelo (ORG). A ditadura que mudou o Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2014, p. 48-66.
MOURA, Alkimar R. A política econômica: de Geisel a Collor. In: LAMOUNIER, Bolivar (ORG) De Geisel a Collor: O balanço da transição. São Paulo: Ed. Sumaré, 1990, p. 37-59.
PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: Entre o povo e a nação. São Paulo: Ed. Ática, 1990.
PERRUSO, Marco Antônio. Em Busca do “Novo”: intelectuais brasileiros e movimentos populares nos anos 1970-80. São Paulo: Annablume, 2009.
RAGO, Margareth. A “nova” historiografia brasileira. Anos 90. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1999.
SADER, Eder. Quando Novos Personagens entraram em Cena: Experiências e Lutas dos Trabalhadores da Grande São Paulo (1970-1980). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
SKIDMORE, Thomas E. A lenta via brasileira para a democratização: 1974–1985. In: STEPAN, Alfred (Org.). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 27–82.
TOLEDO, Caio Navarro. ISEB: Fábrica de Ideologia. São Paulo: Ática, 1978.
VEESER, H. Aram (ORG). The new historicismo. New York and London: Routledge, 1989.

Palavras-chave


Ditadura militar; Historiografia; Historiadores

Texto completo:

197-222


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i26.1314

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia