Pintura de uma paisagem

As cabecinhas estourando, a prisão do cientista e o cheiro da chuva: trauma, perplexidade e esperança em Não Verás País Nenhum

Ana Carolina Monay

Resumo


Não Verás País Nenhum: entre 1976 e 1981, nascia nas páginas de Ignácio de Loyola Brandão um Brasil que, em um futuro distópico, não-mais-se-veria. Pós-catástrofe ambiental, em um momento de ápice do capitalismo e sob um regime político autoritário, o não-mais-Brasil de Loyola Brandão é apresentado por Souza, que, através de um ato de rememoração, tece uma narrativa visando responder à questão máxima “como foi possível que chegássemos aqui?”. O presente trabalho, tendo em perspectiva a noção de “leitura por Stimmung” de Hans Ulrich Gumbrecht, analisa como a narrativa de Souza apresenta o trauma, a perplexidade e a opacidade da esperança, buscando apreender, na medida do possível, algo da atmosfera do tempo e mundo de Loyola Brandão, o Brasil de fim da década de 1970 e início de 1980.


Referência bibliográfica


AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. 2ª ed. São Paulo: Boitempo, 2004.
ARAÚJO, Valdei L. e RANGEL, Marcelo M. Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. In: História da Historiografia, n. 17, 2015. p. 318- 332.
BORGES, Nilson. A doutrina de Segurança Nacional e o governo dos militares. In: DELGADO, Lucilia de Almeida neves; FERREIRA, Jorge (orgs.). Brasil Republicano: O tempo da ditadura. Vol. 4. 7ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. p. 13-42.
BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Zero. 7. ed. Rio de Janeiro: Codecri, 1980.
________. Não Verás País Nenhum: Memorial Descritivo. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.
BRASIL. Ato Institucional nº 1, de 9 de abril de 1964. Dispõe sobre a manutenção da Constituição Federal de 1946 e as Constituições Estaduais e respectivas Emendas, com as modificações introduzidas pelo Poder Constituinte originário da revolução Vitoriosa. Diário Oficial da União: 09 de abril de 1964. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2017.
BRASIL. Decreto-lei nº 314, de 13 de janeiro de 1967. Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção I, 13 de janeiro de 1967. p. 2993. Disponível em: . Acesso em 28 jul. 2017.
CALIL, Mário Lúcio Garcez. O direito fundamental à memória e à verdade e a justiça de transição: pressupostos para a construção de uma cultura constitucional democrática. In: Justiça de Transição para transição da justiça. Porto Alegre: Editora Acesso, 2012. p. 137-164.
CALVEIRO, Pilar. Poder e Desaparecimento: os campos de concentração na Argentina. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2013.
CATROGA, Fernando. Memória, História e Historiografia. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.
DERRIDA, Jacques. A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas. In: Escritura e Diferença. São Paulo: Perspectiva, 1971.
GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, Ambiência, Stimmung: sobre um potencial oculto da literatura. Trad. Ana Isabel Soares. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC-Rio, 2014.
LAPLANCHE; PONTALIS. Vocabulário da Psicanálise. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
NIETZSCHE, Friederich. A genealogia da moral. Trad. Attila Blacheyre. 1ª ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2006.
PANDOLFI, Dulce. Depoimento. [28 de maio de 2013]. Rio de Janeiro: Comissão Estadual da Verdade. In: BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório final, volume II. Capítulo 10, nota 17.
SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (orgs.). O que resta da Ditadura. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2010.
SILVA, Antônio de Pádua Dias. A cidade deteriorada: distopia e ecologia na ficção de Ignácio de Loyola Brandão. Terra Roxa e Outras Terras, v. 12, p. 5-15, 2008.

Palavras-chave


Trauma; Experiência; Ficção

Texto completo:

223-249


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i26.1294

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia