Fragmentos de ética: figurações do historiador oitocentista em Alexandre Herculano

  • Evandro Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Palavras-chave: História da historiografia, Ética para os historiadores, Alexandre Herculano

Resumo

Este artigo parte da análise de textos do jornalista, escritor e historiador português oitocentista Alexandre Herculano (1810-1877), ainda pouco explorados pelos estudos de História da historiografia brasileiros. Majoritariamente produzidos entre 1841 e 1850, eles retratam o âmbito de discussões acerca do processo de reformas liberais portuguesas. Ao examinar os embates de Herculano com os clérigos de Lisboa no que se refere à educação pública e às crenças religiosas por ele revistas em suas obras históricas, o objetivo geral deste texto é verificar a construção da figuração propriamente historiográfica do discurso produzido pelos historiadores, tanto por meio de suas práticas de crítica e instrumentos de verificação, quanto, sobretudo, pela atuação pública daqueles que se dedicavam ao estudo do passado. A experiência de leitura de tais documentos aponta para importantes questões que dizem respeito ao processo de historicização do papel do historiador como crítico da sociedade, o que viria a ser concebido depois como uma função central do intelectual. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandro Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Doutor em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Professor de Teoria e Metodologia da História no Centro de Ensino Superior do Seridó da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - CERES/UFRN

Publicado
2018-04-29
Como Citar
SANTOS, E. Fragmentos de ética: figurações do historiador oitocentista em Alexandre Herculano. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 11, n. 26, 29 abr. 2018.
Seção
Artigo