Pintura de uma paisagem

Fragmentos de ética: figurações do historiador oitocentista em Alexandre Herculano

Evandro Santos

Resumo


Este artigo parte da análise de textos do jornalista, escritor e historiador português oitocentista Alexandre Herculano (1810-1877), ainda pouco explorados pelos estudos de História da historiografia brasileiros. Majoritariamente produzidos entre 1841 e 1850, eles retratam o âmbito de discussões acerca do processo de reformas liberais portuguesas. Ao examinar os embates de Herculano com os clérigos de Lisboa no que se refere à educação pública e às crenças religiosas por ele revistas em suas obras históricas, o objetivo geral deste texto é verificar a construção da figuração propriamente historiográfica do discurso produzido pelos historiadores, tanto por meio de suas práticas de crítica e instrumentos de verificação, quanto, sobretudo, pela atuação pública daqueles que se dedicavam ao estudo do passado. A experiência de leitura de tais documentos aponta para importantes questões que dizem respeito ao processo de historicização do papel do historiador como crítico da sociedade, o que viria a ser concebido depois como uma função central do intelectual. 


Referência bibliográfica


BUESCU. Historiografia e mito: o caso de Alexandre Herculano. In: MATOS, Sérgio Campos; JOÃO, Maria Isabel (Org.). Historiografia e memórias (séculos XIX-XXI). Lisboa: Centro de História – Universidade de Lisboa; Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais – Universidade Aberta, 2012, p. 126-142.
CARVALHO, Joaquim Barradas de. As ideias políticas e sociais de Alexandre Herculano. 2ed. Corrigida e aumentada. Lisboa: Seara Nova, 1971.
CATROGA, Fernando. Alexandre Herculano e o Historicismo Romântico. In: TORGAL, Luís Reis; MENDES, José Maria Amado; CATROGA, Fernando. História da história em Portugal. Lisboa: Temas e Debates, 1998, p. 84-87.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2010.
HARTOG, François. Croire en l’histoire. Paris: Flammarion, 2013.
HERCULANO, Alexandre. Cartas sobre a história de Portugal. Revista Universal Lisbonense. Jornal dos interesses physicos, moraes, e litterarios. Por uma Sociedade Estudiosa. Lisboa: Imprensa Nacional, n. 27, p. 316-317; n. 29, p. 341-343; n. 33, p. 395-396; n. 37, p. 437-439; n. 41, p. 485-487; n. 44, p. 516-518; 1843, n. 1, p. 18-20; p. 31; p. 42-44; p. 55-56; p. 67-68; p. 75-78; p. 78-80, 1842.
HERCULANO, Alexandre. Cartas. Tomo I. Lisboa: Bertrand, s/d.
HERCULANO, Alexandre. Cartas. Tomo II. Lisboa: Bertrand, s/d.
HERCULANO, Alexandre. Considerações pacificas sobre o opúsculo Eu e o clero. Carta ao redactor do periodico – A Nação, por Alexandre Herculano. Lisboa: Imprensa Nacional, 1850a.
HERCULANO, Alexandre. Conversão dos godos ao catholicismo. In: Composições varias. Lisboa: Aillaud, Alves, Bastos e Cia Editores, s/d., p. 3-30.
HERCULANO, Alexandre. Historia de Portugal pelo Sr. A. Herculano (Carta do autor). Revista Universal Lisbonense, Tomo V. Lisboa: Imprensa da Gazeta dos Tribunaes, 1846, p. 509-513.
HERCULANO, Alexandre. Historia de Portugal. Tomo primeiro, Lisboa, em casa da viúva Bertrand e filhos, 1846.
HERCULANO, Alexandre. Imitação-Bello-Unidade. Repositório Literário da Sociedade das Sciencias Médicas e de Literatura do Porto, n. 7, p. 53-56; n. 8, p. 61-64; n. 9, p. 70-71; n. 11, p. 84-88, 1835.
HERCULANO, Alexandre. O clero portuguez. Lisboa: Typographia do Constitucional, 1841.
HERCULANO, Alexandre. Sôbre história e historiografia (Da “História de Portugal” e dos “Opúsculos”), por Alexandre Herculano (selecção, prefácio e notas de António Sérgio). Lisboa: Seara Nova, 1937.
HERCULANO, Alexandre. Solemnia verba. Cartas ao senhor A. L. Magessi Tavares sobre a questão actual entre a verdade e uma parte do clero por Alexandre Herculano. Lisboa: Imprensa Nacional, 1850b.
KNAUSS, Paulo. Uma história para o nosso tempo: historiografia como fato moral. História Unisinos, v. 12, n. 2, maio-agosto, p. 140-147, 2008.
MACHADO, Veronia Castanheira. “O dilatar da nação”: a dimensão do político na historiografia de Alexandre Herculano (1839-1850). Dissertação (Mestrado em História) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.
MARINHO, Maria de Fátima. O romance histórico em Portugal. Porto: Campo das Letras, 1999.
MATOS, Sérgio Campos. Narrativa e divulgação da história em Alexandre Herculano. In: MATOS, Sérgio Campos. Consciência histórica e nacionalismo, Portugal, séculos XIX e XX. Lisboa: Livros Horizonte, 2008, p. 159-170.
OLIVEIRA, Maria da Glória de. Fazer história, escrever a história: sobre as figurações do historiador no Brasil oitocentista. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 30, n. 59, p. 37-52, 2010.
PROENÇA, Maria Cândida. A regeneração. O conceito e a experiência nacional (1820-1823). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1987.
SARAIVA, Antonio José. Herculano e o liberalismo em Portugal: os problemas morais e culturais da instauração do regime. Lisboa: [s.n.], 1949.
SILVA, Taíse Tatiana Quadros da. Maquinações da razão discreta: operação historiográfica e experiência do tempo na Classe de Literatura Portuguesa da Academia Real das Ciências de Lisboa (1779-1814). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.
SERRÃO, Joaquim Veríssimo. Herculano e a consciência do liberalismo português. Lisboa: Livraria Bertrand, 1977.
TURIN, Rodrigo. Uma nobre, difícil e útil empresa: o ethos do historiador oitocentista. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 02, março, p. 12-28, 2009.

Palavras-chave


História da historiografia; Ética para os historiadores; Alexandre Herculano

Texto completo:

101-121


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i26.1218

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia