Pintura de uma paisagem

Por uma historiografia literária sentimental: formação e modernidade em Antonio Candido

Henrique Pinheiro Costa Gaio

Resumo


Este artigo pretende realizar uma análise da historiografia literária de Antonio Candido, expressa em Formação da literatura brasileira (1959). Compreender a arquitetura textual de Candido como uma narrativa de passagem, na qual são selecionados os momentos decisivos da literatura brasileira, indica uma permanente tensão entre tradição e modernidade e o caráter incompleto de nossa formação literária. Assim, de maneira a abarcar a relação entre tradição e modernidade, fundadora de uma literatura nacional, propomos uma chave de leitura schilleriana. Desse modo, talvez seja possível, a partir da passagem de uma literatura de traço ingênuo para uma de caráter sentimental, identificar o sentido da teoria da formação da literatura brasileira expressa por Candido


Palavras-chave


Modernidade; Antonio Cândido; Formação

Texto completo:

162-177


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i24.1093

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia