Pintura de uma paisagem

Autobiografia de Raízes do Brasil: rememoração e comemoração do ensaio nos anos 1970-1980

Raphael Guilherme de Carvalho

Resumo


Nesses oitenta anos de Raízes do Brasil (1936), de Sérgio Buarque de Holanda, uma das fases importantes de sua história se passou entre as décadas de 1970e 1980. Nesse período, ficouconsolidada, a partir da edição definitiva (1969), a posição do livro comoclássico da historiografia brasileira. Se desdeoinício de século 21 tem sido realizado o trabalho de cotejo das suas diferentes edições, procuro chamar a atenção para a importância de alguns elementos imanentes oucomplementares ao texto – que ainda hoje pesam sobre a recepção e a história do livro. Quais sejam: entre 1970 e 1980, as relações entre asrememorações autocríticasde seu autor, a incorporação de materiais paratextuais e as sucessivas comemorações da obra. Tais elementos também importaram, pois, no processo de recontextualização do ensaio naquelas décadas e na formação de densa camada de memória acerca de Raízes do Brasil e seu autor

Palavras-chave


Homem Cordial; Memória; Sérgio Buarque de Holanda

Texto completo:

144-161


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v0i24.1090

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia