https://historiadahistoriografia.com.br/revista/issue/feed História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography 2021-05-01T01:28:17-03:00 História da Historiografia historiadahistoriografia@hotmail.com Open Journal Systems <p>A revista&nbsp;<strong>História da Historiografia</strong> é um periódico interinstitucional patrocinado pelos Programas de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), coordenada pela Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH). Sua publicação se insere no âmbito de grupos e núcleos de pesquisa de Universidades brasileiras e estrangeiras das áreas de teoria da História e história da historiografia. A revista tem como missão a divulgação do conhecimento das áreas de teoria da História, história da historiografia e outras afins no intuito de fomentar o intercâmbio de ideias e resultados de pesquisas entre investigadores dessas áreas correlatas, através da publicação de artigos inéditos que, após o processo de avaliação editorial, sejam considerados relevantes às discussões de tais campos. Além de pesquisas originais, incentiva-se a produção de artigos de debate historiográfico que resenhem criticamente publicações recentes pertinentes aos temas relacionados com as áreas de conhecimento que configuram o escopo da publicação. A linha editorial da <strong>HH</strong>, desta forma, almeja a constituição de um espaço de livre acesso para o debate acadêmico por meio de publicações relacionadas à área.</p> <p><strong>História da Historiografia</strong>&nbsp;publica artigos inéditos e originais, artigos de dossiês temáticos e artigos de debate historiográfico que resenhem criticamente publicações recentes pertinentes aos temas relacionados com as áreas de conhecimento que configuram o escopo da publicação.&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>Temos periodicidade quadrimestral e recebemos artigos em fluxo contínuo.&nbsp;Os interessados em enviar contribuições devem verificar as&nbsp;<strong><a href="/revista/about/submissions#authorGuidelines" target="_blank" rel="noopener">normas editoriais</a></strong>&nbsp;e as<strong>&nbsp;<span style="text-decoration: underline;"><a href="/revista/about/keywords" target="_blank" rel="noopener">palavras-chave disponíveis</a></span></strong>.</p> <p><strong>História da Historiografia</strong>&nbsp;oferece acesso gratuito e integral a todo conteúdo deste site.&nbsp;Esta revista possui&nbsp;<em><strong><span style="text-decoration: underline;">Qualis A1</span></strong></em>&nbsp;e é indexada nos seguintes serviços:&nbsp;<strong><a href="https://www.scopus.com/sourceid/21100245921?origin=resultslist">Scopus | Elsevier</a></strong>,&nbsp;<strong><a href="http://www.latindex.unam.mx/latindex/ficha?folio=18396">Latindex</a></strong>, <strong><a href="https://www.redib.org/recursos/Record/oai_revista560-historia-historiografia">R</a><a href="https://www.redib.org/recursos/Record/oai_revista560-historia-historiografia">EDIB</a>,<a href="https://www.sumarios.org/revista/hist%C3%B3ria-da-historiografia">&nbsp;Sumários de Revistas Brasileiras</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br/schhp">Google Acadêmico</a></strong>,&nbsp;<a href="http://www.cnen.gov.br/centro-de-informacoes-nucleares/livre" target="_blank" rel="noopener"><strong>LivRe!</strong></a>,&nbsp;<strong><a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/">Portal de Periódicos da CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://apps-webofknowledge.ez28.periodicos.capes.gov.br/">Web of Science (Via portal CAPES)</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info?id=478141">European Reference Index for the Humanities</a></strong>, a lista completa pode ser conferida no link <a href="/revista/pages/view/indexadores" target="_self">Indexadores</a>.</p> https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1835 Expediente 2021-05-01T01:28:16-03:00 História da Historiografia historiadahistoriografia@hotmail.com 2021-04-29T20:46:07-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1831 Podemos discutir a avaliação aberta em uma disciplina conservadora? 2021-04-30T22:10:07-03:00 João Rodolfo Munhoz Ohara ohara.jrm@gmail.com 2021-04-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1604 Tópicas nos trópicos 2021-04-30T22:10:42-03:00 Cleber Vinicius do Amaral Felipe clebervafe@gmail.com <p>Este texto volta-se para um conjunto de lugares-comuns presentes no romance <em>O Guarani</em> (1857), de José de Alencar. Para tanto, buscamos historicizar o paradigma artístico que subsidiou sua escrita, analisar a construção do <em>éthos</em> indígena e mapear algumas figuras mobilizadas para descrever as florestas brasileiras e o cataclismo que encerra a narrativa. Nossa proposta atém-se a uma abordagem estética que não negligencia o caráter datado dos códigos linguísticos, ou seja, tópicas como originalidade e genialidade foram tomadas como convenções ou <em>constructos</em> que o romance alencariano buscou dissimular para atender aos protocolos literários de sua época. Embora seja recorrente a negação dos artifícios retórico-poéticos, o romancista recorreu a novos recursos como, por exemplo, à concepção de sublime. Não há, portanto, ausência de protocolos e prescrições, mas a eleição de outros expedientes letrados articulados às propostas políticas de D. Pedro II, ao projeto indianista e às novas demandas estéticas.</p> 2021-03-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1619 História, república e fundação da cidade de Florença em Coluccio Salutati, Leonardo Bruni e Maquiavel 2021-04-30T22:10:42-03:00 Fabrina Magalhães Pinto fabrinamagalhaes@gmail.com Luís Falcão luis.alves.falcao@gmail.com <p>O artigo argumenta que a historiografia humanista e renascentista sobre as origens de Florença produziu, paulatinamente, rupturas com a visão medieval da fundação da cidade pelo Império Romano. Com Salutati, há a primeira declarada defesa da fundação pela República Romana, sustentada em monumentos históricos e textos antigos. Bruni acrescenta o fato de que, por legítima herdeira, Florença recepciona ainda a responsabilidade de levar glória e grandeza às demais províncias da península. Malgrado o contexto de guerra com Milão ser importantíssimo nas explicações dos textos desses humanistas, a continuidade do tema com Maquiavel prova que ele sobreviveu pela sua força teórica, ainda pouco explorada pela bibliografia especializada. Para ele, não se trata apenas de ligar as origens de uma cidade ao seu prestígio e função na contemporaneidade, mas o tema da fundação em si mesmo exige uma reflexão teórica. O artigo apresenta esses marcos atento às inflexões e, sobretudo, aos aspectos teóricos de composição historiográfica.&nbsp;&nbsp;</p> 2021-03-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1624 O problema da forma 2021-04-30T22:10:40-03:00 Damião Farias damiaofarias@ufgd.edu.br <p>O artigo problematiza o tema da forma na obra <em>Raízes do Brasil</em>, edição de 1936. Para realizar a interpretação, buscamos aporte em autores que tiveram confluências com o modernismo no Brasil e em outros países. Assim trabalhamos, sobretudo, com Nietzsche. Acreditamos ter alcançado êxito em demonstrar os vínculos das abordagens de Holanda em direções estético-expressivas sobre os ajustamentos e dissonâncias entre forma e conteúdo, cultura e Estado na história brasileira, nos períodos do Império e República. Holanda perscrutou os tempos brasileiros e divisou o distanciamento progressivo das formas políticas liberais em relação aos valores culturais do personalismo que caracterizaram a nossa história. Sua proposição é, ainda que difícil de ser vislumbrada, a favor de nova configuração da política em termos congênitos à específica cultura nacional, com o objetivo de melhor expressar os valores personalistas, em regime oligárquico/aristocrático, o que supostamente abriria a história brasileira para a criação de novas possibilidades.</p> 2021-04-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1733 Reinterpreting the “times of crisis” based on the asymmetry between chronos and kairos 2021-04-30T22:10:41-03:00 Walderez Ramalho walderezramalho@gmail.com <p>In this article, I argue that the concept of crisis entails a particular form of experiencing and thinking historical time that can only be properly grasped by considering the asymmetry between <em>chronos</em> and <em>kairos</em>. After exploring the main meanings of these two Greek terms for “time”, I show that the <em>chronos</em> paradigm holds hegemony in contemporary theorizations on historical time. Reinhart Koselleck, who construed an influential conceptual history of “crisis”, reiterated such hegemony in his interpretation of the concept’s temporal sense by associating it with the phenomenon of temporal acceleration. This article argues that Koselleck’s interpretation is insufficient since “crisis” encompasses certain dimensions of temporal experience that can only be understood through the notion of <em>kairos</em> – namely, the temporality of decision, urgency, imminent rupture, and uncertainty about the future.</p> 2021-03-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1739 The Analytical Metaphysics of Time and the Recent Theory of History 2021-04-30T22:10:41-03:00 Hélio Rebello Cardoso Jr. herebell@hotmail.com <p>The longstanding line of research that the analytic tradition calls metaphysics of time remains quite ignored by the theory of history.<span class="Apple-converted-space">&nbsp; </span>To bring them closer, this study proposes to introduce to historians and theorists of history the metaphysics of time theses about the presentism/eternalism and the linear/closed time. For such purpose, we drew correspondences between the theory of history and the analytical metaphysics of time concerning some characteristics of the emerging concepts of historical time. These characteristics are related to the recent debate about presentism regarding the regimes of the historical time (multiple temporalities and pluritemporality); plural time in the analytical metaphysics and synchronous/asynchronous historical time; linear/closed time in the analytic tradition and being affected by historical time. As a result, this article presents how the analytical metaphysics of time theses disclose unnoticed contours related to the history theorists’ understanding about the relation with the past.</p> 2021-03-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1744 What the eyes can’t see 2021-04-30T22:10:38-03:00 Bruno Franco Medeiros bfrancomedeiros@gmail.com <p>Over the last years, Monteiro Lobato has been rightfully accused by Brazilian and Latin American scholars of expressing racist and eugenic ideas in his body of work. In this article, we take a step further and add to this traditional portrait of his literary production an analysis of the impact of a new set of technological media during the first decades of the twentieth century on his writings. We discuss how these two main issues – i.e., technology and race – played out in Lobato’s historical representation of Brazil’s past and future and the influence that the United States could play in it. We show how a revisionary and racist version of the United States’ history and the ideal of an American technological prosperity in the 1920s inspired one of Lobato’s most contentious novels, the technological dystopia <em>O Presidente Negro, ou O Choque das Raças</em>, published in 1926.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> 2021-04-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1746 Hernandez Arregui y la invención de una historiografía para la izquierda peronista 2021-04-30T22:10:38-03:00 Valeria A. Caruso caruso.valeria@gmail.com <p>Este trabajo tiene por objeto analizar el proceso de configuración de una historiografía de la izquierda peronista, luego de 1955, observable en las intervenciones intelectuales realizadas por Juan José Hernández Arregui por medio de su ensayística histórica. En primer lugar, se exploran las condiciones de posibilidad que intervinieron en el proceso de emergencia de esa ensayística histórica, así como sus características. En segundo término, se analizan las acciones desplegadas por este intelectual para difundir y legitimar su concepción sobre el pasado nacional y el peronismo. Esta indagación sostiene que las luchas por la vigencia del peronismo durante el periodo en el que esa fuerza política estuvo proscripta fueron constitutivas de las formas que ensayó Hernández Arregui para abordar el pasado argentino.</p> 2021-04-13T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1750 A historiografia nacional como «começo» 2021-04-30T22:10:39-03:00 Ricardo Ledesma-Alonso ricardoledesmaalonso@comunidad.unam.mx <p>Este artigo focaliza um problema específico do fenômeno da historiografia nacional escrita na América Latina do século XIX: as implicações ideológicas de seus elementos narrativos, particularmente de seus começos. A análise dos <em>incipit</em> de duas obras representativas desse gênero historiográfico – a <em>História de Méjico</em> (1844-1852), do historiador mexicano Lucas Alamán, e a <em>História Geral do Brazil</em> (1853-1857), do brasileiro Francisco Adolfo de Varnhagen – permitirá, em primeiro lugar, discutir as características formais – ficcionais – dos referidos umbrais discursivos; em segundo lugar, caracterizá-los como artefactos ideológicos dispostos em forma narrativa. Pretende-se contribuir para o estudo crítico da historiografia nacional oitocentista latino-americana, a partir de uma perspetiva comparada.</p> 2021-04-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1781 Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre 2021-04-30T22:10:37-03:00 Dalton Sanches daltonsanches@gmail.com <p>Propomos que a segunda edição de <em>Raízes do Brasil</em> (1936), publicada em 1948, representa o epítome da guinada negativa de Sérgio Buarque de Holanda quanto ao seu companheiro de geração Gilberto Freyre. As modificações incisivas nessa edição do clássico livro não podem ser, em parte, compreendidas sem que se leve em conta o <em>constrangimento da influência</em> exercida por <em>Casa-grande &amp; Senzala</em> (1933), bem como os mecanismos de consagração apropriados por Holanda no âmbito das instituições, a partir de finais da década de 1940. Para tanto, além das duas primeiras edições de <em>Raízes do Brasil</em> e do clássico de Freyre, lançaremos mão de alguns escritos anteriores e posteriores a esse marco, 1948, a fim de apresentar a historicidade dessa interlocução, que vai da <em>competição</em> literária à <em>disputa</em> pela interpretação do Brasil; perpassa por questões epistemológicas, dentre essas a forma ensaio; e toca as desavenças constituintes das batalhas simbólicas no campo intelectual, a partir das quais anatematiza-se o nome do pernambucano do ensaio revisado.</p> 2021-04-18T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1598 Os estudos do futebol na Inglaterra 2021-04-30T22:10:40-03:00 Bernardo Borges Buarque de Hollanda bernardobuarque@gmail.com <p>O artigo apresenta o debate bibliográfico sobre os estudos futebolísticos na Inglaterra, delineando as principais vertentes de análise e interpretação da violência no esporte, fenômeno comportamental associado ao profissionalismo esportivo na segunda metade do século XX. Visa-se expor as matrizes mais importantes de pensamento – autores, obras e instituições – que se debruçaram sobre o comportamento de grupos de torcedores, dentro e fora dos estádios daquele país, entre as décadas de 1960 e o início dos anos 2000. Sustenta-se que a chamada Escola de Leicester, reunida ao redor da figura de Norbert Elias, em especial seu discípulo Eric Dunning, foi capaz de desenvolver o mais extenso referencial teórico de explicação histórico-sociológica para as brigas intergrupais e a sua “busca da excitação”, decorrente das rixas e das emulações entre adeptos de diferentes clubes ingleses. De forma contemporânea aos acontecimentos que procura analisar, entende-se que o subcampo de estudos intitulado “hooliganismo” na Grã-Bretanha é tributário da hegemonia interpretativa eliasiana e balizou a leitura dos sentidos de um “processo civilizador” entre o público seguidor dos esportes modernos, com ênfase a seus períodos conjunturais de “descivilização”. É desse modo que se opera um “antes”, isto é, as correntes que trouxeram as primeiras análises para a explicação da violência <em>hooligan</em> no futebol até os anos 1970, e um “depois”, ou seja, os pesquisadores que a partir dos anos 1990 procuraram rever os paradigmas da <em>Leicester School </em>e, no limite, formularam uma crítica a seus pressupostos, a fim de superá-los.</p> 2021-04-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography https://historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1836 Diretrizes para autores 2021-05-01T01:28:17-03:00 História da Historiografia historiadahistoriografia@hotmail.com 2021-04-29T20:42:47-03:00 Copyright (c) 2021 História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography